Evento no Rio Vermelho tenta sensibilizar motoristas para o atropelo de animais

Evento no Rio Vermelho tenta sensibilizar motoristas para o atropelo de animais

Por Carmen Vasconcelos

A mobilização se reúne neste sábado (23) a partir das 11h, com o mote ‘Motorista legal: respeita gente e animal’

A advogada especialista em direito ambiental Ana Cláudia Andrade perdeu as contas de quantas vezes foi obrigada a assistir aos atropelos de cães e gatos da janela do seu apartamento. Pensando em sensibilizar os motoristas para essa questão, ela e algumas entidades de proteção animal estarão nas ruas do Rio Vermelho, lembrando a todos que ‘Motorista legal: respeita gente e animal’.

Com esse mote, a mobilização reunirá no próximo sábado, dia 23, às 11 horas, na Avenida Lusíadas, protetores e defensores da causa animal. “Salvador tem o dobro da média mundial de acidentes no trânsito e esse é um dos locais da cidade onde há maior número de atropelos e acidentes da metrópole, de acordo com o Setor de Estatística e Acidentologia da Superintendência de Trânsito e Transporte de Salvador – Transalvador, por esta razão a escolha do ponto para realização do evento”, explica Ana Cláudia.

Para justificar a iniciativa, a advogada ressalta que ao longo de 2014 foram registradas 89 mortes e 1.592 feridos. Em 2015, ocorreram 40 mortes por atropelamento na capital baiana. “É preciso fazer algo para educar os motoristas para a necessidade de preservação da vida, sejam estas quais forem, diante destes números alarmantes”, completa.

A gerente de educação de educação para o trânsito da Transalvador, Míriam Bastos, afirma que muito ainda precisa ser feito na legislação para que a vida animal passe a ser respeitada como se deve. “O código aborda a questão do direito animal apenas quando se refere ao transporte, tanto nos artigos 235 e 252, lembrando que o motorista incorre em infração grave quando realiza o transporte de animais de forma inadequada, sem que eles estejam nas caixas de transporte e afivelados em equipamentos de segurança mesmo dentro das cidades”, explica a especialista em gestão de trânsito.

No entanto, ela mesma reconhece que o atropelamento do animal não está previsto no Código. “As orientações sempre dizem respeito ao fato de que o motorista precisa respeitar à vida do pedestre e, nas ruas, o animal é um pedestre daí a necessidade de ser paciente nas travessias, evitar buzinar para não assustar o animal e dar sempre preferência”, completa a representante da Transalvador.

Miriam faz questão ainda de ressaltar que o problema de atropelamento de animais não se resume aos cães e gatos, mas também atinge animais de grande porte, como os cavalos, que ainda são criados soltos e até mesmo abandonados nas vias, a exemplo da Avenida Suburbana e nas imediações do Parque da Cidade. “Essa é, sem dúvida, uma questão que vai exigir muito debate e trabalho, pois além de um problema social e de saúde pública, os animais em situação de rua são potencializadores de acidentes de trânsito”, diz.

A Campanha “Motorista Legal:respeita gente e animal” contará com as participações da Federação Baiana de Entidades Ambientalistas e Protetoras dos Animais, das ONGs da causa Animal, Entidades da Sociedade Civil, Empresas Privadas localizadas no entorno, bem como de ciclistas, atletas e comunidade local, todos de amarelo pedindo respeito aos motoristas.

Fonte: Correio

MAIS NOTICIAS

{module [427]}

{module [425]}

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.