Ex-morador do Pinheirinho reconhece na TV cão perdido há 2 anos

Ex-morador do Pinheirinho reconhece na TV cão perdido há 2 anos

Catador de reciclagem viu cão em uma reportagem da TV Vanguarda. Família buscou ‘Negão’ no Centro de Zoonose de São José dos Campos, SP.

Uma família de São José dos Campos testemunhou na manhã desta terça (29) o reencontro entre amigos que não se viam há mais de dois anos. O ex-morador do Pinheirinho (leia sobre a desocupação desta área clicando aqui), Francinaldo Pereira da Silva, reconheceu durante uma reportagem do Jornal Vanguarda, na noite de segunda (28), sobre o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), o cachorro que perdeu na reintegração de posse do terreno, em janeiro de 2012.

Com direito a choro e comoção, a nora e o filho de Francinaldo foram os responsáveis pelo reencontro. “Fomos pegar o cachorro de manhã e assim que ele reconheceu a gente, ele dava pulos. Sem saber que a gente tinha ido buscar o cachorro, meu sogro foi até o centro de zoonoses, mas não encontrou mais ele. Assim que ele chegou em casa e viu ele lá, começou a chorar muito”, conta a nora dele, Joseane de Oliveira.

Negão, nome original do cão, foi apelidado de Joe no canil, mas só voltou a ser quem era ao ver e o ouvir seu ‘nome de batismo’ do tutor – Negão. “Ele deu um abraço forte no Negão. Pareciam duas pessoas. A gente fala que é o filho dele porque ele gosta muito mesmo desse cachorro. Assim que pegou o cachorro já levou no veterinário e comprou ração. É um xodó só”, conta a nora.

O cão foi um presente que Francinaldo ganhou enquanto trabalhava como catador de reciclagem, função que exerce até hoje. A família se perdeu do cachorro durante a ação de reintegração de posse do terreno do Pinheirinho. “Na confusão, tentando salvar alguns móveis, não vimos onde ele estava. Quando voltamos para procurar no terreno, disseram que os cachorros tinham morrido”, conta Joseane.

Adoção

A reportagem do Jornal Vanguarda mostrou que atualmente o CCZ de São José tem cerca de 60 animais disponíveis para adoção em São José.

Fonte: G1

Nota do Olhar Animal: Enquanto pessoas com bem mais recursos econômicos (e bem menos caráter) abandonam seus animais tutelados pelos motivos mais fúteis, um catador de reciclagem resgata o Negão após tanto tempo, leva-o ao veterinário, compra ração…

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.