Faixa recomendando não alimentar animais de rua revoltou moradores e entidades

Faixa recomendando não alimentar animais de rua revoltou moradores e entidades

Uma faixa publicitária pedindo às pessoas que “não alimentem animais de rua pois são um risco a saúde” e que animais nas praias são terminantemente proibidos causou muita polêmica em São Sebastião. Nas redes sociais, internautas criticaram a empresa responsável pela iniciativa, uma imobiliária, que diante dos protestos decidiu retirar as faixas instaladas em condomínios e pedir desculpas aos moradores e internautas.

Nas redes sociais, a iniciativa mereceu dezenas de críticas pelo fato de pedir que as pessoas não alimentem “animais de rua”.

Na faixa constavam as logomarcas da imobiliária responsável pela iniciativa e da prefeitura.

A Prefeitura informou que não autorizou o uso de seu logo e nem a confecção da faixa.( Leia texto abaixo). A imobiliária que patrocinou a faixa, fez a retirada dela, devido a grande repercussão negativa gerada na cidade e nas redes sociais.

A imobiliária emitiu uma nota oficial pedindo desculpas pelo erro.

Nas redes sociais o assunto “bombou”. A internauta Nailda Silva comentou que tratava-se de uma placa sem noção e desumana. “É um absurdo não poder alimentar um animal de rua”, publicou ela.

A internauta Sandra Pires chegou a sugerir que fosse feito um protesto em frente a imobiliária, como ocorreu recentemente, no Carrefour, em Santo André, quando uma cachorrinha morreu após ter sido ferida por um segurança do estabelecimento.

Outra internauta, Patricia Lazzarini, postou que concorda com a proibição de animais nas praias, mas nunca em deixar de alimentar um animal de rua.

No início da noite desta quarta(26) a faixa foi retirada pela imobiliária, devido as inúmeras manifestações contrárias nas redes sociais.

Prefeitura

A Prefeitura de São Sebastião esclareceu que não compactua com informações divulgadas na faixa. Solicitou que mais uma vez fosse explicado que não autorizou o uso da sua logomarca e nem deu qualquer autorização para a confecção da faixa.

Segundo a prefeitura, é preciso deixar claro que a legislação municipal vigente (lei 848/92) é clara em seu artigo “VIII” quando diz apenas ser “Proibido abandonar, soltar ou fazer-se acompanhar de animais nas praias”.

A atual administração informou que apóia a causa animal e desde 2017 está trabalhando para investir e recuperar o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) da Costa Norte que está em fase de finalização do novo prédio além de já estar em fase de estudos a implantação de serviços especializados na Costa Sul da cidade tendo em vista que há anos não existiam investimentos especificamente voltados para a causa animal.

Imobiliária

A Imobiliária publicou uma nota pedindo desculpas pela confecção e colocação da faixa. A nota foi publicada nas redes sociais. Segundo a imobiliária houve um mau entendido na confecção da faixa e que a mensagem original pretendia orientar para que evitassem alimentar animais SILVESTRES na área do condomínio, considerando o risco de contaminação dos animais, pois, apenas neste ano, teria ocorrido três casos de macacos mortos, possivelmente, por terem contraído febre amarela.

A imobiliária explicou que cometeu o erro de não verificar previamente o conteúdo da faixa, que foi instalada na tarde do dia 24 quando a empresa já se encontrava em recesso e, tão logo tomou conhecimento do conteúdo equivocado da mesma providenciou a imediata retirada da faixa.

“Pedimos sinceras desculpas pelo nosso erro e temos a certeza que o ocorrido servirá como alerta de consciência para futuras ações. O primeiro passo será entrar em contato com a ONG Companhia das Patas para o agendamento de uma reunião para alinhamento de ações, dentre elas, a doação de ração para animais acolhidos por eles”, finalizou a empresa em sua nota de desculpas.

Fonte: Tamoios News

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.