Família chora morte de seis cães por envenenamento em Cerro Largo, RS

Família chora morte de seis cães por envenenamento em Cerro Largo, RS

Por Silvia Dewes

RS cerrolargo envenenamento 6c3b32a4737cO envenenamento de oito cães de uma família da zona rural esta semana chocou a comunidade de Cerro Largo, município do noroeste do Rio Grande do Sul. O vereador Lauri Wilchen, de 49 anos, tutor dos animais, registrou o caso na delegacia de polícia e espera a punição dos culpados.

O crime aconteceu na madrugada de quarta-feira, dia 6, por volta das 5h, quando o agricultor acordou com os ganidos de dor dos cães, que agonizavam nos arredores da casa na propriedade rural localizada na Linha São João.

Lauri conta que ao sair de casa para ver o que estava acontecendo, deparou-se com uma cena de horror. Os cães de nome Tchek ,Lily ,Baby ,Tico,Teco, Laika, Bruto e Simon se contorciam e gemiam após terem ingerido alguma substância venenosa, que o veterinário da família suspeita ser estriquinina pelas lesões causadas no aparelho digestivo, respiratório e circulatório dos animais.

Quatro dos cães morreram em seguida sem que pudessem sequer ser socorridos. Outros dois, mesmo medicados, resistiram apenas até o dia seguinte. Bruto e Simon ainda estão vivos, mas sob observação.

Revoltado, o vereador não consegue entender tamanha brutalidade. “Eles latiam bastante, mas nunca ninguém se queixou de que estariam incomodando”.

RS cerrolargo envenenamento f10812e0e730O silêncio da primeira noite sem os latidos e as brincadeiras dos cães foi difícil para a família, especialmente para Taiara, a filha mais velha, de 15 anos, que criou os animais desde bebês.

“Aqui em casa é só choro, não sei como vai ser ir para a lavoura sem eles. Eles eram muito companheiros, inclusive acompanhavam minha filha mais nova até a parada de ônibus quando ela ia à escola”, lamentou.

Lauri garante que o registro da ocorrência na delegacia de polícia é só o início de uma luta para conscientizar a população que os animais precisam ser protegidos e não mortos, prática que é comum no município. “Quero criar um grupo de proteção aos animais com o apoio da sociedade , Polícia Civil e Militar e outros”, afirma.

Mais notícias

{module [427]}

{module [425]}

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.