Famintos, cães praticam canibalismo em abrigo mantido pelo governo das Ilhas Maurício

Famintos, cães praticam canibalismo em abrigo mantido pelo governo das Ilhas Maurício
Famintos, cães praticam canibalismo em abrigo mantido pelo governo das Ilhas Maurício (Foto: Anastasiya Romanova/Unsplash)

Cães famintos estão sendo deixados para praticar canibalismo para sobreviverem em um abrigo de animais nas paradisíacas Ilhas Maurício.

Um visitante que esteve nas instalações em dezembro de 2020 para procurar seu animal de estimação desaparecido relatou as condições “desumanas” em que eles estavam vivendo, incluindo cães comendo os pés de outros caninos mortos e moribundos e lambendo seu sangue.

O homem, que não quis ser identificado, disse que viu gaiolas com até 30 ou 40 animais dentro, assim como uma funcionária saindo de uma sala vestindo um avental de açougueiro coberto de sangue.

Em uma gravação de voz, compartilhada com o site Daily Mail pelo grupo de bem-estar animal Humane Society International (HSI), o homem disse que foi forçado a deixar seu telefone no carro antes de entrar no famoso local, conhecido como Mauritius Society for Animal Welfare (MSAW).

“Se os mauricianos soubessem o que está acontecendo lá dentro, se eles os deixassem filmar, eles estariam todos do lado de fora protestando”, disse o homem.

Um novo vídeo perturbador, filmado secretamente em dezembro e lançado pela HSI, mostra um cão morto sendo dilacerado por uma matilha de cães esqueléticos antes de começarem a atacar e comer outro cão que ainda está vivo.

Ele late e uiva de dor enquanto a matilha rasga seus membros frágeis no clipe de 20 segundos, filmado no local, que tem sido alvo de acusações de crueldade contra animais por anos.

Vários outros cães na cela superlotada observam as poças de sangue ao redor dos animais mortos e moribundos. No final do vídeo, um cachorro com costelas proeminentes pode ser visto cutucando os restos do cachorro morto, que parece ter sido deixado na cela.

Situação crítica

Em 2015, um funcionário do abrigo foi filmado secretamente apunhalando cães no coração com uma injeção letal, apesar do governo ter desistido de sua política de pegar e matar dois anos antes. 

Milhares de cães e filhotes são recolhidos das ruas e praias de Maurício a cada ano por coletores de cães do governo e levados para o MSAW, onde são mortos se ninguém vier buscá-los, de acordo com a HSI.

O grupo disse que há cerca de 250 mil cães na ilha, a maioria dos quais possuem donos, mas não são esterilizados e são livres para vagar pelas ruas e praias, criando e dando à luz filhotes. Os cães de praia são geralmente apreciados, mas podem ser considerados um incômodo para os ricos turistas da ilha, que, segundo a HSI, incluem quase 150 mil britânicos a cada ano.

O grupo já operou com sucesso um programa de esterilização na ilha, com uma clínica gratuita que esterilizava milhares de cães. A HSI disse que está esperando há mais de um ano pela aprovação de um plano de esterilização para toda a ilha, mas isso ainda não se concretizou, apesar das “repetidas tentativas” de se envolver com as autoridades e do apoio de um luxuoso hotel à beira-mar.

“Os milhares de turistas que visitam as Ilhas Maurício a cada ano ficariam chocados ao saber que os filhotes com os quais brincam na praia poderiam definhar e morrer em uma prisão governamental infernal”, disse Claire Bass, diretora executiva da Humane Society International.

“Apesar do claro sucesso do programa de esterilização da HSI na ilha, oferecendo uma maneira humana de reduzir gradualmente o número de cães, parece haver uma completa falta de vontade política para melhorar verdadeiramente o bem-estar”, acrescentou ela. “O MSAW provou ser incapaz de cuidar da vida desses cães vulneráveis ​​que merecem ser tratados com compaixão e respeito, não deixados para morrer de fome e canibalizar uns aos outros.”

Claire ainda disse: “Abates podem parecer uma solução rápida, mas além de serem sem coração, eles também não têm esperança de realmente reduzir o número de cães a longo prazo.”

A política da MSAW de exigir que o público deixe seus telefones e câmeras para entrar permite que eles operem em sigilo virtual. Grupos de bem-estar animal também tiveram a entrada proibida para avaliar o bem-estar dos cães lá dentro, de acordo com a HSI.

Os ativistas agora estão pedindo que o MSAW seja completamente reformado em um corpo operado de forma independente, focado no bem-estar animal e que o abrigo seja convertido em um hospital de animais.

Eles também estão exigindo a revisão da Lei de Bem-Estar Animal de Maurício (2013) para incluir um programa de esterilização em massa e que penalidades severas sejam introduzidas por crueldade contra os animais.

Entre os outros apelos estão apelos ao respeito pelos animais fazendo parte do currículo escolar nacional, a fim de prevenir futuros abusos de animais, a introdução de programas de adoção de cães e para que Maurício abra suas fronteiras para veterinários do exterior que atualmente não têm permissão para trabalhar na ilha.

Os ativistas retiraram uma liminar contra a política de captura e morte, que deve chegar ao Supremo Tribunal Federal em 17 de fevereiro. O MSAW e o Ministro da Agroindústria e Procurador-Geral, Maneesh Gobin, foram convocados a comparecer.

Fonte: Peté Pop

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.