Fazendeiro é condenado após eutanásia de 226 ovelhas desnutridas e doentes

Fazendeiro é condenado após eutanásia de 226 ovelhas desnutridas e doentes
Fornecido por Go Outside

Um fazendeiro da Nova Zelândia foi condenado nesta segunda-feira (5) por maus-tratos de suas ovelhas, que foram encontradas gravemente desnutridas e doentes e tiveram que sofrer eutanásia. Bevan Scott Tait se confessou culpado, embora sua defesa tenha alegado que ele estava sofrendo de depressão e não teve apoio suficiente de autoridades.

O neozelandês foi condenado a nove meses de prisão domiciliar e 150 horas de trabalho comunitário de acordo com a Lei do Bem-Estar Animal neozelandesa, segundo informações da BBC. Ele também não terá mais permissão de administrar ou possuir animais de fazenda por quatro anos.

A fazenda de Bevan Tait fica em Russock Creek, na Ilha do Sul da Nova Zelândia. Em abril de 2019, autoridades encontraram várias ovelhas mortas, animais com sinais de fome e outros com infecções transmitidas por moscas no local.

Os inspetores então deram ao fazendeiro uma ordem para resolver a situação dos animais, mas quatro meses depois foi verificado que a situação havia ficado ainda pior e 226 ovelhas tiveram que sofrer eutanásia. Os outros animais foram vendidos e realocados em outras fazendas.

“É justo dizer que esse tipo de crime é raro”, disse o gerente de bem-estar animal Gray Harrison, do Ministério das Indústrias Primárias, a repórteres. “A maioria dos fazendeiros faz a coisa certa com seus animais e a negligência do Sr. Tait com seus foi uma das piores que já vimos em algum tempo.”

O advogado do fazendeiro argumentou que meses antes do incidente, autoridades rurais do país haviam entrado em contato com Bevan Trait e visto que ele precisava de ajuda para enfrentar uma depressão, mas não conseguiram ajudá-lo, ainda segundo a BBC.

No entanto, o juiz argumentou que delito continuava sendo sério, principalmente porque Bevan era um fazendeiro experiente que deveria ter percebido que os animais estavam sofrendo.

Fonte: MSN

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.