Fila de adoção de animais tem 520 cães e gatos em Araraquara, SP

Fila de adoção de animais tem 520 cães e gatos em Araraquara, SP
No Parque Infantil há uma feira de adoção permanente. (Foto: Reprodução EPTV)

Entre os animais que deram entrada nos abrigos de Araraquara em situação de violência, como maus-tratos e atropelamentos, 62% não foram adotados, segundo levantamento feito pelo Centro de Controle de Zoonoses (CCZ).  

No ano passado, dos 1.100 animais resgatados, 436 ganharam um novo lar, alguns morrem antes mesmo desta oportunidade e hoje, 520 animais, entre cães e gatos, aguardam na fila de adoção.

A estudante Giovana Yamaniha, de 19 anos, adotou o Lóque ainda filhote, em dezembro de 2019. “Queria um companheiro”, resume. O gatinho que a Giovana levou pra casa é um dos 436 animais adotados nas feirinhas de adoção, no ano passado.

O número de animais adotados ainda pequeno perto do universo existente no Centro Zoonoses. Dos 1,1 mil animais resgatados em 2019, menos da metade foi adotado.

Ainda hoje, existem 520 animais nos abrigos. Todos, vítimas de algum tipo de violência. “temos um protocolo e tem preferência para ficar no abrigo cães vítimas de violência que não tem tutores”, afirma Luciana Filippo, gestora de projetos do município.

Na edição mais recente, na semana passada, 13 gatos e 12 cães aguardaram por um lar, mas, só um gato conseguiu ser adotado. “Quando os animais estão saudáveis, eles vão pra feira. Quem quer adotar precisa ser maior de 18 anos, ter documento pessoal e coleira no caso de cães e caixa para gatos”, explica.

Luciana lembra a responsabilidade de quem adota. “É um gasto, então tem que ser algo bem pensando. São mais de 10 anos que você vai conviver com este animal do seu lado”, reforça.

Todos os animais que estão na fila de adoção foram cadastrados e chipados. As feirinhas de adoção acontecem a cada 15 dias no “Espaço Cão Gabriel”, no Parque Infantil. A programação é divulgada com antecedência no site da Prefeitura.

Por Milton Filho

Fonte: A Cidade ON

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.