Filhote de baleia divide espaço com banhistas em praia de Guarujá (SP)

Filhote de baleia divide espaço com banhistas em praia de Guarujá (SP)

Animal, de sete metros, foi encontrado na praia da Enseada. Suspeita é de que a mãe do filhote possa estar próxima da área.

Um filhote de baleia jubarte, que mede cerca de 7 metros, foi avistado no fim desta sexta-feira (27) nas proximidades da praia da Enseada, em Guarujá, no litoral de São Paulo. O animal foi observado pelo diretor da Setsail Inteligência Náutica e coordenador de educação ambiental do Projeto Mantas do Brasil, Guilherme Kodja, de 41 anos. 

Para Guilherme, foi uma surpresa encontrar um exemplar da espécie no litoral paulista. “Estou sempre no mar e a gente fica de olho para ver se aparece algo intessante. Tinha avistado alguns pequenos cardumes de sardinha na frente do Perequê e da praia de Pernambuco, quando continuamos um pouco. Quando passei 100 metros, vi um dorso. Não sabia do que se tratava e dei a volta para olhar, até chegar a conclusão de que era uma baleia. Na nossa região é mais comum a baleia-de-bryde. No entanto, eu fiz contato com uma amiga bióloga e mostrei as fotos que havia tirado. Ela disse que era uma jubarte”, explica.

Baleia jubarte foi vista perto da praia da Enseada  (Foto: Arquivo Pessoal/Guilherme Kodja)Depois de esclarecer o tipo de baleia de que se tratava, o coordenador ambiental destaca que ajudou a manter as embarcações distantes da área em que o mamífero se encontrava. “O Instituto Gremar avisou o Corpo de Bombeiros, no caso de haver o encalhe, e eu fiquei afastando as embarcações que passavam no sentido Guarujá e Ilha Bela. Eu fiz o chamado pelo rádio”, conta.

No entanto, Guilherme Kodja teme que o animal possa morrer. Por isso, a suspeita de que a mãe dessa baleia jubarte esteja próxima pode salvar a sua vida. “Esse filhote não pode ficar sozinho, caso contrário ele vai encalhar ou algo vai acontecer. Ele pode morrer. Há seis meses, parece que teve o registro de uma baleia dessa espécie. Estamos tentando checar isso. Se for confirmado, pode ser que mãe e filhote tenham se separado. Vamos correr atrás disso para saber se há essa relação”, encerra. 

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.