Filhote de baleia Jubarte aparece morto encalhado em praia na Serra, ES

Filhote de baleia Jubarte aparece morto encalhado em praia na Serra, ES

O último registro de baleia morta encalhada em Manguinhos aconteceu há quatro anos, um filhote de cachalote. Devido a maré alta não tinha como avaliar o animal para possível remoção.

ES praia baleia encalhada

Um filhote de baleia Jubarte foi encontrado na praia de Manguinhos, na Serra, na manhã desta segunda-feira (05). O animal estava há no máximo três dias boiando no mar antes de encalhar na praia, e  já havia perdido alguns ossos, como a mandíbula.

O filhote tinha aproximadamente cinco meses de vida e teria nascido no litoral capixaba, que é propício para a temporada de acasalamento e reprodução devidos às águas com temperaturas mais amenas. O último registro de baleia morta encalhada em Manguinhos aconteceu há quatro anos, um filhote de cachalote.

O presidente do Instituto Orca, Lupércio Araújo, disse que as condições para avaliação de retirada do animal não eram favoráveis devido a maré alta. Uma empresa especializada, contratada pela prefeitura, com orientação do Instituto, deverá ser acionada para que a remoção do filhote aconteça sem contaminação da praia e banhistas, destinando para um local adequado.

Em nota, a Prefeitura da Serra informa que o animal foi retirado do local às 13 horas desta segunda-feira, com a devida orientação do Instituto Orca. Mas, segundo Lupércio Araújo, não houve contato da para fazer a remoção.

Segundo o presidente do Instituto Orca, Lupércio Araújo, o mês de outubro é mais propenso a encalhamento de baleias mortas no estado, já que nessa época estes animais apresentam cansaço, devido ao esforço do final da temporada. Mais de 14 mil baleias de diferentes espécies vem do Sul da Antártida para o Espírito Santo e  litoral Sul da Bahia para o acasalamento e reprodução. De acordo com Lupércio, aqui os filhotes ganham gordura e tamanho para voltarem a pólo sul e estarem aptos a se alimentarem sozinhos.

Fonte: Folha Vitória

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.