Filhote de cão com deficiência é jogado em fossa e morre em MS

Filhote de cão com deficiência é jogado em fossa e morre em MS

Cãozinho, que tinha paralisia nas patas, foi resgatado, mas não resistiu. Dono diz que não tinha condições de criar e foi indiciado por maus-tratos. 

MS amambai caoUm filhote de cão com deficiência morreu depois de ser jogado na fossa de uma casa em Amambai, município distante 332 quilômetros de Campo Grande. O animal, que tinha quase dois meses, chegou a ser resgatado, mas não resistiu e morreu horas depois.

Segundo a polícia, o dono disse que jogou o cãozinho na fossa da residência onde mora porque não tinha condições de criar um animal com deficiência. O Campeão, nome que ganhou da população, tinha paralisia nas duas patas traseiras.

O filhote foi encontrado por um grupo de amigos que passava pelo local e ouviu o choro dele. Ao se aproximarem, viram o cãozinho agonizando. Eles acionaram a Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros.

“Eu ouvi um chorinho e vim até aqui, aí eu vi que era perto desse buraco. Vimos ele agonizando e chorando”, contou o estudante Alceu Vieira, que encontrou o cãozinho na fossa.

Quem assistiu ao resgate se comoveu com a situação. A recepcionista Daniely Córdoba disse que a emoção foi grande entre o público que assistia. “Eu chorei, todo mundo chorou porque ficamos revoltados com a capacidade do cara de jogar o cachorrinho vivo”, disse.

O salvador do Campeão foi o soldado Henrique Batista. O bombeiro enfatizou que não importa se o resgate envolve uma pessoa ou um animal, o foco é a preservação da vida. “É um animal, mas é uma vida também”, ressaltou.

O dono do filhote foi levado para a delegacia e foi indiciado por crime de maus-tratos, que prevê pena de três meses a um ano de prisão.

O delegado Mikail Alessandro Gouvea Faria destacou que, além de crime, maltratar um animal é afrontar a vida. “Um animal doméstico é uma vida e não um brinquedo. Não dá para depois de um mês dizer ‘enjoei’ e jogar fora. É uma vida e tem de cuidar”, declarou.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.