Filhote de macaco será levado para zoológico, diz Ibama de Rondônia

Filhote de macaco será levado para zoológico, diz Ibama de Rondônia

Segundo instituição ainda não há data prevista para transferência do animal. ‘Chico’ foi encontrado em Vilhena no dia 17 de abril por uma estudante.

O filhote de macaco apelidado de ‘Chico’, encontrado em Vilhena(RO), aguarda transferência para um zoológico, segundo o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama). De acordo com o órgão, o macaco não será solto na natureza, pois vivia em cativeiro e teria dificuldades para se readaptar. O animal foi trazido para o Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas) pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Ambiental (Sedam), na última quarta-feira (26). O Ibama ainda não tem previsão para a transferência.

O animal que é da espécie Chiropotes albinasus, conhecido como Cuxiú-de-nariz-branco, está ameaçado de extinção.

Entenda o caso

O filhote de macaco foi encontrado por uma estudante no dia 17 de abril, no Setor de Chácaras, em Vilhena (RO), região do Cone Sul. O animal não apresentava ferimentos e foi entregue em uma clínica veterinária da cidade, no dia 18. Na última quarta-feira (26) ele foi transferido pela Sedam para a capital.

Espécie

Conforme o biólogo Flávio Terassini, o nome popular do pequeno macaco é Cuxiú-de-nariz-branco, embora o nariz seja vermelho. Ele é típico da floresta Amazônica. “A espécie Chiropotes albinasus tem a distribuição geográfica na Amazônia Central. Ele está ameaçado de extinção e é encontrado próximo à Vilhena, nessa parte que pega o cerrado, já entrando na floresta Amazônica”, explicou.

Segundo Terrassini, há cerca de 100 anos, o macaco quase foi extinto na Amazônia brasileira. “Muitas pessoas matavam apenas para tirar o rabo e soltavam ele na floresta. Com o rabo, faziam espanador de pó. O macaco na floresta sem o rabo, morria, geralmente por infecções, hemorragias”, ressaltou.

RO portovelho chicoestanocetas 2

Fonte: G1

MAIS NOTICIAS

{module [427]}

{module [425]}

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.