Corpo de Bombeiros

Filhote de onça-pintada deve ser trazida de Sinop para Cuiabá, em MT

Um filhote de onça-pintada, que tem entre 2 e três meses de vida, e foi resgatado nesta semana em um Pet Shop de Sorriso deve ser trazido de Sinop para Cuiabá, onde receberá cuidados de saúde.

Conforme informações do Batalhão de Polícia Militar de Proteção Ambiental (BPMPA), os policiais tomaram conhecimento do caso, que foi atendido pelo Corpo de Bombeiros da região na quarta-feira (29), e aguarda nova avaliação de especialistas para fazer a remoção.

O apoio será dado pela Coordenação de Fauna da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) e do Hospital Veterinário da UFMT. Ao contrário do que foi divulgado no primeiro momento, a onça pode estar com um quadro de desnutrição e desidratação, comum a filhotes abandonados pela mãe.

A equipe de inteligência do BPMPA está investigando a origem do filhote e também se houve atuação de uma quadrilha de caça ilegal na região, este não é o primeiro filhote que enfrenta a separação da mãe que provavelmente foi abatida. Para ser solta na natureza novamente, a onça-pintada ainda passará por avaliações. Entre os locais de referência para onde são enviados animais nessa situação que não voltar retornar ao seu habitat imediatamente está o Instituto Onça-Pintada (IOP), localizado em Mineiros, Goiás.

Balanço de resgates

No ano de 2017, o BPMPA prendeu 547 pessoas e aplicou mais de R$ 13 milhões em multas por crime ambiental. Ao todo, 670 animais foram resgatados e 99 armas de fogo e 1.227 munições foram apreendidas.

Os animais resgatados, na maioria das vezes, possuem sequelas permanentes. No Centro de Triagem, localizado em Várzea Grande, é feito o primeiro atendimento e depois são encaminhados aos hospitais veterinários da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) ou da Universidade de Cuiabá (Unic).

As espécies de animais resgatados variam de acordo com o período do ano. Em período chuvoso, são mais comuns serpentes, marsupiais e mamíferos. Já entre setembro e outubro, são as aves que estão em fase de procriação, como as araras, papagaios, periquitos, que são os alvos mais escolhidos pelos traficantes.

Com sede na capital, e subunidades em Rondonópolis, Cáceres e Barra do Bugres, o BPMPA tem a missão de proteger a fauna, flora, os recursos hídricos e florestais, das extensões de água e de mananciais, além de policiamento ostensivo geral, como forma de coibir os impactos ambientais.

“É de fundamental importância a contribuição da sociedade em denunciar práticas de crimes ambientais. Mato Grosso é um estado continental, com grandes distâncias, por isso contamos com o apoio de todos”, frisa o tenente coronel PM Rodrigo Eduardo Costa, comandante do batalhão.

Serviço

Há vários canais para denúncias: 190 da Polícia Militar, o telefone fixo do Batalhão (65) 3684-1633 e o 0800 65 3838 (Sema).

Fonte: Circuito MT

Homem deixa onça bebê no veterinário e animal é resgatado por bombeiros

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.