Filhote de veado é resgatado após ser criado como animal de estimação em Palmas, TO

Filhote de veado é resgatado após ser criado como animal de estimação em Palmas, TO

Animal usava uma coleira cor-de-rosa no momento do resgate. Espécie é silvestre e não pode ser mantida em cativeiro.

TO palmas veado1

Um filhote de veado que estava sendo criado como animal de estimação por moradores da região sul de Palmas, foi resgatado na manhã desta sexta-feira (27). O animal silvestre, que é da espécie catingueiro, não pode ser criado em cativeiro. O resgate foi feito pela Polícia Militar Ambiental (Cipra), que encaminhou o caso para o Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins). O filhote usava uma coleira cor-de-rosa no pescoço.

TO palmas veado2

Um morador chamou o resgate após ter encontrado o animal perto da casa dele. Durante o transporte, o veado ficou agitado e acabou machucando o focinho na grade da jaula. Por causa do estresse, o filhote ainda não foi examinado e, por isso, não foi possível determinar se é um macho ou uma fêmea.

De acordo com a veterinária que cuida do caso, Grasiela Alves Pacheco, o veado não poderá ser solto na natureza. Segundo ela, como a coleira é um indicativo de que ele foi criado a vida toda em cativeiro, não há como readaptá-lo aos hábitos selvagens. Após passar por exames, o filhote será encaminhado ao Centro de Triagem de Animais Silvestres, em Araguaína, no norte do Tocantins. De acordo com Grasiela, é provável que ele seja enviado para um Instituto Conservacionista credenciado pelo Ibama.

A veterinária destacou ainda, que casos como este são recorrentes em Palmas. Na semana anterior, outros dois veados silvestres foram resgatados. Uma das principais preocupações, de acordo com ela, é com a dieta. Muitas vezes os animais selvagens são alimentados com comidas impróprias para as espécies, como bolachas e massas.

Quem encontrar um animal silvestre em situação semelhante pode acionar os órgãos ambientais pelo telefone 153, para que o resgate seja providenciado.

TO palmas veado3

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.