Filhotes confusos de esquilos não faziam ideia de como ficaram tão emaranhados

Filhotes confusos de esquilos não faziam ideia de como ficaram tão emaranhados

Em 13 de setembro, um morador de Milwaukee descobriu cinco esquilos cinzentos jovens em uma situação estranha. Os irmãos saíram de seu ninho aconchegante apenas para descobrir que estavam irremediavelmente atados, suas caudas fofas emaranhadas.

As cinco caudas haviam se emaranhado com folhas longas e tiras de plástico que a mãe usara para construir o ninho. Com apenas 5 ou 6 semanas de idade, os esquilos estavam apenas começando a explorar o lado de fora com alguma orientação dos pais e ficaram compreensivelmente confusos com esses incômodos inesperados do crescimento.

“Os esquilos estavam no chão, tentando ir em cinco direções diferentes ao mesmo tempo!” Scott Diehl, diretor de vida selvagem da organização Wisconsin Humane Society, disse ao The Dodo. “A mãe esquilo estava lá tentando ajudar seus bebês”.

Ao sentir que os esquilos estavam em apuros, a mulher conteve os animais em dificuldades e ligou para o centro de reabilitação Wildlife Rehabilitation Center da Wisconsin Humane Society, para pedir ajuda. E Diehl, que logo chegou ao local, ficou feliz por ela ter feito isso.

“Os esquilos estavam assustados, muito incomodados e provavelmente com dor”, disse Diehl. Os esquilos jovens “simpáticos e indisciplinados” foram trazidos para o centro de vida selvagem e anestesiados antes que o delicado trabalho de separar o “nó górdio” de suas caudas começasse.

“Era impossível dizer de quem era a cauda de quem”, dizia uma publicação no Facebook do Wildlife Rehabilitation Center. “E nós estávamos cada vez mais preocupados porque todos eles tinham sofrido graus variantes de danos nos tecidos causados pela disfunção circulatória”.

A equipe de animais selvagens já havia se deparado com situações como essa antes, mas nunca havia trabalhado com tantos esquilos ao mesmo tempo. Mas, com mãos seguras e intensa concentração, a equipe conseguiu soltar as caudas.

“Todos os anos recebemos vários esquilos com suas caudas emaranhadas, mas eram situações envolvendo de dois a três esquilos”, disse Diehl. “Assim que anestesiamos e estabilizamos cada esquilo, pudemos, com delicadeza e cuidado, remover e cortar o nó. Demorou cerca de 20 minutos para libertá-los”.

No momento, a família esquilo se recupera alegremente no centro de vida selvagem. “Todos os cinco esquilos agora são muito ativos e vigorosos, comem com prazer tudo o que oferecemos, inclusive nozes, sementes e frutas”, diz uma publicação no Facebook. “Só podemos imaginar como eles devem se sentir aliviados de estarem livres uns dos outros e se moverem de forma independente”.

E por fim capazes de testar suas habilidades de escalada, os esquilos correm e pulam em torno do seu recinto ao ar livre com facilidade, embora alguns tenham mais pelos restantes em suas caudas do que outros. Felizmente, o pelo vai voltar a crescer.

Sem intervenção humana, esses esquilos poderiam ter perdido suas caudas, que são necessárias para o equilíbrio e calor, e possivelmente suas vidas.

Fotos: Wisconsin Humane Society

“Somos muito gratos à pessoa que os encontrou e trouxe para nós”, acrescentou Diehl. “Eles precisarão ficar aqui pelo menos mais alguns dias em observação, mas depois planejamos devolvê-los ao local onde foram encontrados para se juntarem à mãe deles”.

Depois do que essa família de esquilos passou, temos certeza de que será um reencontro muito feliz.

Por Lily Feinn / Tradução de Ana Carolina Figueiredo

Fonte: The Dodo

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.