Filhotes de tartarugas ‘manezinhas’ são soltas no mar de Florianópolis

Filhotes de tartarugas ‘manezinhas’ são soltas no mar de Florianópolis

Ao todo, 50 animais da espécie cabeçuda voltaram para o habitat. Bichos nasceram na praia do Moçambique e foram monitorados pelo Tamar.

Na praia da Barra da Lagoa, em Florianópolis, 50 filhotes de tartarugas marinhas cabeçudas foram soltas na mar na manhã deste sábado (27). Segundo o Tamar, esta é a primeira soltura realizada de animais monitorados desde a desova até o nascimento na capital catarinense.

As tarturagas nasceram no dia 22 de fevereiro e ficaram por uma semana no projeto. “Em 10 anos foram quatro desovas. Essas aqui nasceram na praia do Moçambique, coladas com a base do projeto Tamar. São autenticas manezinhas da Ilha”, diz o analista ambiental, Eron Lima. ‘Manezinho’ é o apelido dado aos moradores de Florianópolis.

“A gente tem alguns registros, poucos registros, aqui na ilha, mas esse foi o primeiro que foi monitorado, desde a desova até o nascimento”, conta a biológa Cristiane Kolesnikovas.

Muita gente foi conferir de perto os primeiros passos dos animais para a vida marinha, cerca de mil pessoas. Uma área foi cercada na Barra da Lagoa, para a soltura ser feita com tranquilidade, com auxilio dos biólogos.

SC Florianópolis crianca e tartaruga

“Meu netinho acordou cedo para acompanhar a soltura, está encantado”, conta uma avó. “Nunca vi tartarugas tão pequenas!”, disse um menino. “Achei elas bem bonitinhas”, completa um garoto.

A bióloga Camila Cegoni ressalta a importância da participação da comunidade. “A gente aproveita esse momento justamente para as pessoas conhecerem o projeto do Tamar, conhecerem as tartarugas, e passar um pouquinho do que elas podem fazer para proteger as espécies ameaçadas de extinção”, explica.

Este ano o Tamar comemora a marca de 25 mil tartarugas devolvidas ao mar nos seus 35 anos de atuação no Brasil.

Fonte: G1

Mais notícias

{module [427]}

{module [425]}

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.