Filme favorável à caça de baleias quer constestar ‘A Enseada’

Uma produtora japonesa empreendeu uma campanha financiamento popular para lançar nos EUA um documentário que defende a polêmica caça de baleias e golfinhos no Japão e com o qual pretende replicar o filme americano “A Enseada”.

A iniciativa, que desde esta terça-feira está aberta para receber contribuições voluntárias em um site, se propõe a divulgar esta produção japonesa concebida como um “documentário contestador” perante “A Enseada”, explicou nessa plataforma a autora do filme, Keiko Yagi.

“A Enseada”, vencedor do Oscar de melhor documentário em 2009, revelou em nível internacional a cidade litorânea japonesa de Taiji (oeste), onde é tradicionalmente praticada a pesca de golfinhos e baleias, e pôs o foco sobre a crueldade do método usado para capturar os cetáceos.

Com seu documentário, intitulado “Behind The Cove – The Quiet Japanese Speak Out” (Por Trás da Enseada – Os japoneses silenciosos dão sua opinião), Yagi quer “oferecer ao público a oportunidade de conhecer o outro lado no debate sobre a caça de baleias”.

O filme já foi projetado no Japão em 2015 e no Festival de Montreal (Canadá), e recolhe os testemunhos de habitantes e pescadores de Taiji, assim como de ativistas contrários a esta prática, entre elas do próprio diretor de “A Enseada”, o americano Louis Psihoyos.

O filme de Psihoyos encorajou a chegada de ativistas ao povo japonês para protestar em cada início da temporada de captura de golfinhos, dos quais se seleciona uma parte para vender a zoológicos e aquários e o resto para ser destinado ao consumo alimentício.

No ano passado, a associação de zoológicos e aquários do Japão anunciou que deixará de comprar cetáceos capturados com o sistema de Taiji por causa da decisão da Associação Mundial de Zoos e Aquários (WAZA), que considera ilegal este tipo de capturas.

Taiji é considerado, além disso, o berço da indústria baleeira japonesa, uma prática que também suscitou rejeição no exterior e inclusive foi alvo de uma sentença em 2014 da Corte Internacional de Justiça, que qualificou de ilegais as campanhas baleeiras japonesas na Antártida realizadas com fins supostamente científicos.

As autoridades locais e o governo do Japão defendem a captura de cetáceos por seu valor tradicional, por sua importância para a economia local e como parte de sua cultura gastronômica, embora o consumo de carne de golfinho e de baleia seja cada vez mais reduzido no país asiático.

Fonte: Terra


Nota do Olhar Animal: É fácil verificar o quanto errados são os motivos alegados para a continuidade do massacre de golfinhos. Basta substituir algumas palavras: “As autoridades locais e o governo do Japão defendem a captura de HUMANOS por seu valor tradicional, por sua importância para a economia local e como parte de sua cultura gastronômica, embora o consumo de carne de HUMANOS seja cada vez mais reduzido no país asiático.”

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.