Fim das charretes com tração animal em Petrópolis (RJ) ainda não tem data

Fim das charretes com tração animal em Petrópolis (RJ) ainda não tem data
Resultado de plebiscito que decidiu pelo fim das charretes com tração animal ainda não foi homologado pelo TSE Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo

O fim de passeios turísticos em Petrópolis em charretes movidas por tração animal ainda não tem data certa. Apesar de quase 70% dos petropolitanos terem votado pelo fim da atividade há mais de dois meses, até hoje o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) não homologou o resultado do plebiscito. Como o recesso da Justiça começou na última quinta-feira, a homologação só deverá ser feita em janeiro.

A comissão criada para estudar a forma em que se dará o processo de retirada dos animais das ruas e a substituição da atividade por outra que seja sustentável e que conquiste a simpatia dos charreteiros ainda não chegou a um consenso. Ao iniciar os estudos, o grupo achava que o mais viável seria a substituição das charretes por carros elétricos. O problema é saber de onde virão os recursos para a aquisição dos veículos.

Em outubro, a prefeitura já havia anunciado não ter condições de custear a compra dos carros elétricos. O prefeito Bernardo Rossi (MDB) havia tentado financiamento para esse fim junto ao Ministério do Turismo, mas foi informado que a pasta não investe nesse tipo de atividade. Segundo a prefeitura, há um déficit de caixa de R$ 685 milhões, o que inviabiliza iniciativas com esse propósito. Entidades de defesa e proteção de animais haviam dito que ficou acertado com a prefeitura que o fim da atividade seria no dia 31 de dezembro. Mas a prefeitura negou o prazo e disse que a questão ainda seria exaustivamente estudada pela comissão.

Protetora animal, Márcia Xerez, no entanto, informou em redes sociais que o prefeito remanejou recursos do Ministério do Turismo que poderiam ser usados na substituição das charretes por carros elétricos para asfaltar algumas ruas do Centro da cidade.

A vereadora Gilda Beatriz (MDB) disse achar que o atraso na homologação do resultado do plebiscito pode ter a ver com o fato de ele ter sido realizado junto com as eleições gerais:

– Possivelmente, isso se deve pelo fato de o plebiscito ter sido realizado junto com as eleições gerais, uma vez que em momento algum, durante o processo eleitoral, tivemos a informação de pedidos de impugnação do plebiscito ou algo semelhante. O pleito ocorreu com a maior lisura. Tenho certeza de que o plebiscito será homologado porque a expressão das urnas e a transparência com que a campanha foi realizada confirmam isso. De qualquer forma, nos dirigimos ao TRE, através da Ouvidoria, para saber se há uma previsão da homologação. Estamos aguardando esse posicionamento do Tribunal. Mas isso não impede que a prefeitura inicie um planejamento para a substituição das charretes – comentou.

Representante dos charreteiros, Vanuza Ferrari disse que a categoria quer garantir que a concessão da atividade seja exercida até o fim, previsto, segundo ela, para agosto do ano que vem. Vanuza ressaltou que o processo da Câmara de Vereadores que propôs o plebiscito não estabelece prazo para o fim da atividade, caso a população decidisse dessa forma.

– Nossa concessão é renovada sempre no mês de agosto. Surgiram informações de que nossa atividade será interrompida em 31 de dezembro. Não concordamos com isso e vamos contratar advogado. E sobre a troca dos cavalos por charretes ou carros elétricos é uma questão que ainda não decidimos – comentou.

Por Gustavo Goulart

Fonte: O Globo

Plebiscito decide pelo fim da tração animal nas charretes em Petrópolis, no RJ

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.