Fome dizimou baleias-cinzentas na costa do Pacífico

Fome dizimou baleias-cinzentas na costa do Pacífico
Mais de 700 baleias-cinzentas foram encontradas mortas na costa do Pacífico. Crédito: LMIMAGES - Shutterstock

Há quase seis anos, um grande número de baleias-cinzentas (Eschrichtius robustus) mortas começou a aparecer ao longo da costa do Oceano Pacífico da América do Norte. Esse evento intrigou cientistas e levantou várias questões sobre o que poderia estar causando tal fenômeno. Doenças? Poluição as águas? Aumento das colisões com navios? São muitas as possibilidades.

Observações revelaram que muitos desses animais estavam magros ou com ferimentos, indicando problemas graves. Alguns deles foram atacados por orcas, outros colidiram com navios ou ficaram presos em redes de pesca. No entanto, parte dessas mortes ainda permanecia um mistério.

Uma nova pesquisa publicada na quarta-feira (27) na revista PLOS One sugere uma possível causa: a escassez de alimentos nos locais de alimentação das baleias no fundo do mar, principalmente no Ártico e subártico. Ainda não está claro, porém, se essa falta de comida foi resultado de mudanças no oceano ou do aumento da competição entre as próprias baleias por recursos limitados.

A NOAA iniciou uma investigação em 2019 após declarar a morte em massa das baleias-cinzentas um evento de mortalidade incomum (UME, na sigla em inglês). Crédito: Tharuka Photographer – Shutterstock
A NOAA iniciou uma investigação em 2019 após declarar a morte em massa das baleias-cinzentas um evento de mortalidade incomum (UME, na sigla em inglês). Crédito: Tharuka Photographer – Shutterstock

Investigação da NOAA detectou mais de 700 baleias-cinzentas mortas

A Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos EUA (NOAA) lançou uma investigação em 2019 após declarar a morte em massa das baleias um evento de mortalidade incomum (UME, na sigla em inglês). Desde então, mais de 700 baleias foram encontradas mortas em várias regiões, como México, Canadá e Califórnia. Os cientistas acreditam que o número real pode ser ainda maior, considerando que muitas delas morrem no mar e não são encontradas.

Estima-se que a população de baleias-cinzentas tenha sido reduzida pela metade durante esse evento de mortalidade. A NOAA recentemente declarou que a morte em massa terminou, mas fica o questionamento: a população de baleias-cinzentas poderá se recuperar?

Uma baleia-cinzenta e seu filhote migram para o norte ao longo da costa da Califórnia a caminho de áreas de alimentação de verão no Ártico. Crédito: NOAA Fisheries
Uma baleia-cinzenta e seu filhote migram para o norte ao longo da costa da Califórnia a caminho de áreas de alimentação de verão no Ártico. Crédito: NOAA Fisheries

Todos os anos, esses animais realizam uma jornada impressionante, percorrendo cerca de 20 mil km das águas geladas do Ártico até as águas mais quentes próximas ao México. Durante o verão, se alimentam de pequenos organismos no fundo do mar antes de retornarem ao Ártico. No entanto, durante essa migração, enfrentam vários perigos, incluindo navios, poluição, orcas e redes de pesca.

Ao longo da investigação, os cientistas observaram comportamentos alimentares incomuns, indicando uma possível adaptação à escassez de alimentos. Isso é um sinal positivo, mas o futuro dessas baleias ainda é incerto.

Adaptação à escassez de alimento

Alguns especialistas temem que, se o ambiente continuar mudando, a população de baleias-cinzentas possa diminuir ainda mais. Por essa razão, é crucial continuar estudando esses animais para compreender melhor como podemos ajudá-los a se recuperar e garantir habitats saudáveis para seu futuro.

Apesar do declínio preocupante, há esperança de que, com esforços de conservação e compreensão mais profunda de suas necessidades, as baleias-cinzentas possam se restabelecer. A conscientização pública e a cooperação internacional são fundamentais para proteger esses animais majestosos e garantir que continuem a nadar livremente em nossos oceanos por muitos anos.

Por Flavia Correia

Fonte: Olhar Digital

Desnutrição, fome e sede em animais selvagens

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.