Fora do habitat, animais são cuidados em clínica em Porto Alegre, RS

Fora do habitat, animais são cuidados em clínica em Porto Alegre, RS

É cada vez mais comum encontrar animais nativos nos centros urbanos. De acordo com o Ibama, em quarto meses foram realizados 155 resgates.

RS poa habitat1

Com o crescimento de Porto Alegre, diversas espécies de animais que perdem espaço no seu habitat acabam dividindo o ambiente urbano com moradores da cidade. Uma clínica veterinária na Zona Norte de Porto Alegre, que funciona como um Centro de Triagem de Animais Silvestres (Ceta), reúne profissionais dedicados ao cuidado desses animais resgatados na cidade, como mostra a reportagem do Jornal do Almoço, da RBS TV.

“Recebemos animais que são órfãos ou estão machucados. Prestamos atendimento nas primeiras 24 horas após sua chegada e depois direcionamos os animais ao órgão responsável para soltura e recolocação”, explica a veterinária Gleide Marsicano.

Segundo o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama), de setembro do ano passado até janeiro de 2015 o local recebeu 155 animais com necessidade de tratamentos. Todos habitantes da cidade. “A nossa invasão nos territórios deles faz a gente notar a presença desses animais em nossa fauna urbana. Não que eles não existissem. Sempre existiram, mas a concentração da população está tão grande estamos invadindo os espaços deles”, explica a veterinária Fabiane Prusch.

É essa a situação enfrentada por um filhote cego de guaxinim. Encontrado dentro de um condomínio de Porto Alegre, ele foi encaminhado ao Ceta, onde recebeu cuidados. Batizado de Manoel, um bugio ruivo teve o mesmo destino. Resgatado após cair das costas de sua mãe e já acostumado ao convívio humano, ele está fadado ao cativeiro por necessitar de ajuda para conseguir alimento.

Entre cágados, tigres d’água, gaviões, macacos-pregos e capivaras, na clínica também estão animais vítimas do tráfico, como bandos de papagaios. As aves precisam ser mantidas em abrigos porque, se soltos na cidade, podem ocupar espaços de aves nativas.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.