Foto de funcionária de reserva chorando por rinoceronte morto mostra impacto de nossa ganância

Foto de funcionária de reserva chorando por rinoceronte morto mostra impacto de nossa ganância

Por Aisling Maria Cronin / Tradução de Alice Wehrle Gomide

Poucas espécies animais são tão reverenciadas e admiradas como os rinocerontes. E estes gigantes gentis são renomados por sua graça, sua dignidade e sua habilidade de formar fortes laços emocionais uns com os outros. Entretanto, a trágica notícia é que, devido à ganância humana, eles podem não continuar a existir em nosso planeta por muito tempo.

Um mito danoso de que os chifres destes animais contêm propriedades medicinais está sendo responsável pelo progressivo declínio dessa espécie nas últimas décadas. Na realidade, o chifre do rinoceronte é composto de uma proteína chamada queratina (a mesma proteína que forma o cabelo e as unhas dos humanos), então qualquer suposto “benefício” que alguém acredita que possa obter ao consumir o chifre, pode ser obtido ao morder suas próprias unhas. Entretanto, o mito das supostas “propriedades medicinais” do chifre de rinoceronte causou um impacto devastador na espécie.

Os rinocerontes de Java foram declarados extintos em 2011, enquanto que os rinocerontes negros ocidentais tiveram o mesmo destino em 2013. As subespécies de Sumatra e dos rinocerontes negros estão atualmente classificadas como “criticamente ameaçadas” pelo International Union for the Conservation of Nature (IUCN – União Internacional pela Conservação da Natureza). Depois da morte de Nola – uma dos últimos quatro rinocerontes brancos do norte – em novembro do ano passado, a perspectiva para esta subespécie também é extremamente sombria. Uma média de três rinocerontes é morta pelos seus chifres a cada dia.

Os guardas-florestais e trabalhadores de proteção da vida selvagem estão na linha de frente da luta contra a caça ilegal de animais selvagens. Com gangues armadas de caçadores constantemente à espreita de oportunidades para lucrarem com a morte de animais ameaçados, estes corajosos indivíduos que dedicam suas vidas para protegê-los devem estar sempre vigilantes também. Equipes anti-caça como a Black Mambas da África do Sul já conquistaram taxas incríveis de sucesso nos últimos anos, mas não há dúvida de que seu trabalho pode ser incrivelmente difícil. Guardas-florestais e funcionários da proteção da vida selvagem algumas vezes perdem suas vidas na luta para proteger os animais ameaçados de extinção.

Conforme esta foto demonstra, a carga emocional que este trabalho causa pode ser extremamente esmagadora também.

AfricaDoSul foto funcionaria chorando rinoceronte morto

A foto foi tirada no Mankwe Wildlife Reserve, na África do Sul, e mostra a funcionária Lynne McTavish chorando por um rinoceronte na reserva que foi tragicamente morto por caçadores. O usuário do Imgur Speldhurst, que compartilhou esta poderosa fotografia, disse, “Eu conheci esta mulher e sua equipe, e eles sacrificam tudo que possuem diariamente na luta contra os caçadores. Eu os vi cuidar dos rinocerontes que agora estão mortos; com patrulhas a cada hora, contagens diárias e checagens incontáveis. Sua abnegação e bondade extraordinárias são como nada que já vi em toda minha vida”. É difícil para nós, que nunca trabalhamos na linha de frente da luta contra a caça, conseguir imaginar a tristeza que McTravish sentiu ao saber que um dos rinocerontes pelo qual ela trabalha tão apaixonadamente para salvar foi brutalmente morto.

Fonte: One Green Planet

Mais notícias

{module [427]}

{module [425]}

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.