Foz do Iguaçu (PR) terá o primeiro censo de animais

O Programa Força Voluntária está convocando os colegas de Foz do Iguaçu para ajudar em uma ação inédita na cidade: o primeiro censo de animais, que será promovido pelo Centro de Controle de Zoonoses (CCZ).

O trabalho começa no dia 4 de agosto, com duração de 45 dias. O pessoal do CCZ pretende passar em todas as residências da cidade, preenchendo formulários com dados sobre os animais – domésticos ou não – e os donos.

A ajuda dos colegas de Itaipu começa na sequência, com atividades que se encaixam na modalidade “voluntário a distância”: buscar os boletins (em papel) no CCZ; organizar esses boletins preenchidos por quarteirão; digitar os dados em planilhas Excel; e devolver os dados digitados ao CCZ até a data estabelecida pelo órgão.

Para participar, são necessários alguns pré-requisitos, como ser maior que 16 anos e ter um pouco de habilidade com o programa Excel. A atividade está aberta a empregados de Itaipu (fora do horário de trabalho e em computador pessoal), familiares, estagiários e participantes do PIIT.

Para o dia 7 de agosto está marcada uma capacitação voltada aos colegas interessados – e que será coordenada pelas voluntárias Fabiane Colling e Karla Noronha, com a participação do pessoal do CCZ. O local e o horário ainda serão definidos.

Além do Força Voluntária, o censo tem apoio do Grupo de Trabalho Itaipu-Saúde e do Grupo Escoteiro Pedra que Canta. Também será oferecida, gratuitamente, vacinação antirrábica para até 60 mil cães e gatos de Foz do Iguaçu.

O diretor do CCZ, André Souza Leandro, explicou que a ação tem o objetivo de balizar iniciativas do próprio órgão. “O Censo é fundamental para que se conheça a realidade da população animal de uma cidade e com isso subsidiar com informações o planejamento das ações a serem adotadas para garantir o bem-estar animal e a saúde das populações animal e humana”, disse.

As ações para proteção de animais da cidade são um pedido apresentado pelos próprios voluntários ao Programa Força Voluntária. Esse trabalho ganhou força em junho, com a aprovação do Estatuto de Proteção aos Animais e do Conselho Municipal de Proteção e Defesa dos Animais.

Fonte: Cidade Foz

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.