França: Diretor do MarineLand é demitido após a morte de uma orca

França: Diretor do MarineLand é demitido após a morte de uma orca

Por Carole Raphaelle Davis / Tradução Alice Wehrle Gomide

Franca diretor morte orca

Atualização: Respondendo às exigências das organizações de proteção animal, incluindo a Friends of Animals, uma inspeção do MarineLand pelo Departamento de Proteção das Populações (DDPP, prefeitura dos Alpes-Marítimos) revelou a poluição de hidrocarboneto nos tanques das orcas. Os resultados das análises da água contradizem as declarações feitas pelo departamento de relações públicas do MarineLand, que insistem que a “água está agora limpa e os filtros estão funcionando”.

Tentando diminuir os danos de relações públicas, o Grupo Parques Reunidos Europe demitiu Bernard Giampolo, o diretor do MarineLand em Antibes, na França, no último dia 15, depois da controversa morte de Valentin, uma orca de 19 anos de idade. O Sr. Giampolo deixou seu cargo após nove anos no MarineLand. Jesus Fernandez Moran, diretor do Parques Reunidos Europe, assumirá a direção do MarineLand, Antibes, no dia 2 de novembro.

A pressão do movimento de proteção animal está aumentando na mídia social. Um protesto organizado pelo Sans Voix PACA está agendado para 25 de outubro do lado de fora do problemático parque.

A morte da orca no dia 12 de outubro ocorreu após uma forte tempestade em 4 de outubro, que matou 20 pessoas e devastou 90% do parque marinho, deixando seus tanques inundados com lama e muitos de seus animais mortos. A morte de Valentin foi explicada em um comunicado do MarineLand como resultado de uma “torção intestinal” não relacionada à tempestade. Várias organizações de proteção animal, incluindo Sea Shepherd, Friends of Animals e a Fundação Brigitte Bardot não aceitaram a explicação e estão pedindo uma investigação independente, assim como o fechamento imediato do parque marinho, alegando que a única informação a respeito da morte dos animais está vindo das próprias pessoas que eram responsáveis pelos seus cuidados. Somente alguns jornalistas foram permitidos dentro do parque marinho destruído e cheio de lama.

John Hargrove, um ex-funcionário do MarineLand que conhecia Valentin, acusou o parque marinho de “matá-lo”. “Ele era sociável, sensível e inteligente”, disse Hargrove. “Ele sofria desde o dia que nasceu e se ele estivesse em seu habitat natural, o oceano, ele teria sentido as correntes marítimas e atendido os chamados dos outros de sua espécie, nadando para longe do perigo”.

O MarineLand admitiu que seu zoológico com animais terrestres foi completamente destruído pela tempestade e que, entre os animais mortos, estavam cabras, ovelhas e aves. Há uma enorme preocupação entre os ativistas animais de que as orcas que ainda estão lá também irão morrer, presas em seus tanques contaminados. Fotos de outra orca no MarineLand a mostra doente e sofrendo em seu tanque imundo.

Não há dúvida de que a polêmica rodeando as mortes no MarineLand mais a fúria dos ativistas na mídia social causaram a demissão de Giampolo. Yvon Godefroid da organização Dauphins Libres, alega que Valentin morreu “de desespero” e estava batendo sua cabeça contra as paredes de seu tanque cheio de lama nos dias que seguiram a tempestade. Godefroid também disse que no mesmo dia que sua mãe morreu, em 20 de junho, no mesmo tanque, supostamente de um infarto, Valentin foi forçado a fazer truques por comida. “Ele não teve sequer um dia para lamentar a morte de sua mãe”, escreveu Godefroid. “O show tinha que continuar”.

Giampolo foi removido de seu cargo no MarineLand em Antibes, mas foi transferido para o Parc Mirabilandia, um dos grupos de zoos marinhos em Ravenna, na Itália. “Ele foi demitido do MarineLand mas continuará a abusar dos animais onde ele foi transferido”, disse Edita Birnkrant, do Friends of Animals. “Ele só terá a inconveniência de mudar de Riviera para a Itália. Enquanto isso, as orcas que ainda estão lá podem morrer nos tanques imundos. Ele deveria ser demitido e pronto”.

“Tragicamente, há somente um resultado positivo da tempestade que devastou a prisão para animais MarineLand – os animais que morreram lá na lama nunca mais serão forçados a fazerem truques por comida a fim de entreterem os estúpidos compradores de ingressos inconscientes e sem empatia. Eles finalmente estão livres. ” Friends of Animals

“Eles são como a Igreja Católica” disse um ativista de direitos dos animais que protesta contra o MarineLand em Antibes. “Eles não protegem as vítimas entregando seus criminosos para a polícia; eles simplesmente os transferem para que eles possam abusar de suas vítimas em outro lugar. Isto não passa de um jogo de fachada”.

As repetidas ligações para MarineLand pedindo comentários não foram atendidas.

Fonte: Examiner

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.