Funcionários denunciam falta de profissionais para cuidar de abrigos e fazer castração de cães e gatos no Rio de Janeiro

Funcionários denunciam falta de profissionais para cuidar de abrigos e fazer castração de cães e gatos no Rio de Janeiro

Funcionários da Secretaria Municipal de Proteção e Defesa dos Animais (SMPDA) da Prefeitura do Rio denunciaram ao RJ2 que faltam profissionais para cuidar dos abrigos e para fazer castração de cães e gatos.

Protetores de animais também denunciaram que, desde o início da nova gestão da prefeitura, faltam veterinários para atender os bichos.

O RJ2 flagrou nesta segunda-feira (19) o namorado de uma veterinária, que não tem registro no Conselho Regional de Medicina Veterinária, participando de uma cirurgia em um animal dentro de uma unidade da prefeitura em Paciência, na Zona Oeste do Rio. O local oferece atendimento clínico a cães e gatos e também a castração dos animais.

Imagens mostram momentos em que o homem realiza procedimentos cirúrgicos até mesmo sozinho. Quem está realizando as cirurgias nos vídeos é Márcio Henrique Mousinho, namorado de Icymara Baptista da Silva, veterinária da prefeitura.

Segundo fontes ouvidas pelo RJ2, na falta de profissionais, ela colocou o namorado para atender no posto, o que é ilegal.

“Usando os animais de cobaia para poder aprender a fazer as cirurgias. Ele não é veterinário formado, não faz nem mesmo faculdade de medicina veterinária e está lá auxiliando e operando junto com ela”, disse uma funcionária que preferiu não se identificar.

Em ligação por telefone com o RJ2, Márcio afirmou que não está operando na unidade. Ele disse ainda que está cursando veterinária, mas não respondeu quando foi questionado se tinha contrato de estágio com a prefeitura.

O Conselho Regional de Medicina Veterinária informou que vai abrir uma sindicância para apurar o caso.

“Estagiário tem que atuar junto com um médico veterinário habilitado pelo Conselho de Veterinária, sendo supervisionado por ele. Sozinho ele não pode atuar. Além da contravenção penal, pode incorrer no crime de maus-tratos por ele não ter a capacidade técnica de proceder ali”, afirmou o vice-presidente do CRMV-RJ, Diogo Alves.

Denúncia de desvio de ração
 
As unidades veterinárias fazem parte da estrutura de uma secretaria recém-criada pela Prefeitura do Rio: a de proteção e defesa dos animais. Permitir que uma pessoa sem qualificação exerça o papel de um veterinário não é a única denúncia feita por protetores dos bichos.

Segundo ativistas de defesa animal ouvidos pelo RJ2, imagens da fazenda Modelo, em Guaratiba, mostram funcionários da secretaria levando doações feitas para os animais para casa.

Em um grupo de WhatsApp da secretaria, Andreia Porto afirma: “Regina Helena, o Pedro tá levando as suas rações”. E depois, diz: “Andrea Lambert, separei os dez sacos pra você”.

Andreia de Oliveira Porto, que separa as rações para os próprios funcionários, é a diretora do Centro de Proteção Animal, nome oficial da fazenda Modelo.

Andréa de Jesus Lambert é a subsecretária de Proteção e Defesa dos Animais. Ela escolheu a própria ONG, que acolhe animais abandonados, para receber doações de remédios.

“Não existe um controle, uma planilha, pelo menos isso não é divulgado. Estão usando dinheiro público para dar benefícios para protetores sem esclarecer os critérios utilizados. Qual a resposta que a SMPDA tem para nos oferecer?”, questiona a protetora de animais Glaucia Rafael.
 
O secretário municipal de Proteção e Defesa dos Animais é Vinícius Cordeiro – presidente do Avante no Rio – partido da base do prefeito Eduardo Paes.

“Tivemos um critério republicano de distribuir esses 200 e poucos sacos que estavam para vencer, para privilegiar os protetores de colônias de felinos”, disse o secretário.

Sobre o falso veterinário, Márcio Mousinho, o secretário informou que vai apurar o caso.
A secretaria afirmou que não há desvio de ração e nem falta de profissionais.

Vídeo: Funcionários denunciam falta de profissionais para cuidar de abrigos de animais e fazer a castração de cães e gatos

Por Pedro Figueiredo, Guilherme Schiavinato e Raphael Nascimento

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.