Galgos explorados em corridas chegam na Filadélfia (EUA) vindos da ‘pior pista do mundo’

Galgos explorados em corridas chegam na Filadélfia (EUA) vindos da ‘pior pista do mundo’
Elizabeth Robertson (Fotógrafa da Equipe)

Entre os que viajaram para a Filadélfia, durante um dos dias mais movimentados do ano, em 21 de novembro, estavam cinco galgos vindos da China.

Foi uma viagem de mais de 15.000 quilômetros para os antigos cães de corrida do Canidromo, em Macau, uma pista de corrida brutal que, segundo relatado, matava 30 galgos por mês. A pista fechou em julho, deixando 650 galgos sem casas.

O programa de adoção National Greyhound Adoption Program, na Filadélfia, prometeu pegar 100 cães, incluindo os cinco que saíram de um avião de carga naquele dia. David Wolf, que lidera o grupo de resgate de galgos, disse que sua instalação aceitou 33 galgos de Macau e se comprometeu a pegar mais do que qualquer outra organização no mundo.

“Os cães chegaram em boas condições”, disse Wolf esta semana. Eles estão magros e têm necessidades extremas de tratamento dentário, mas isso “pode ser adiado até que ponhamos um pouco de peso neles e eles estejam acomodados, e o estresse desta jornada enormemente longa tenha desaparecido”, disse ele.

Ativistas dos direitos dos animais chamaram o Canidrome de “a pior pista do mundo”, e uma investigação de 2011 pelo South China Morning Post descobriu que 383 cães com baixo desempenho foram mortos lá em 2010. A pista fechou este ano depois que o governo de Macau disse ao operador para retirar as corridas das mecas de jogos de azar no centro para abrir espaço para o redesenvolvimento, relatou o New York Times.

Para chegar à Filadélfia, os galgos viajaram de Macau para Hong Kong, onde passaram a noite antes de embarcar em um voo para Frankfurt, na Alemanha. Veterinários receberam os galgos no Aeroporto Internacional da Filadélfia para garantir que não tivessem problemas de saúde sérios. O National Greyhound Adoption Program transportou os animais para suas instalações no nordeste da Filadélfia em um caminhão para cães de aço inoxidável.

Wolf disse que sua instalação sem fins lucrativos é a “melhor do país” e pode acomodar confortavelmente 100 cães em gaiolas de aço inoxidável que ficam suspensas. Dessa forma, quando os animais se aliviam, não precisam deitar-se na bagunça. Uma clínica veterinária fica ao lado da instalação. Os galgos fazem exercícios regularmente, disse Wolf.

“Eu não conheço ninguém que tenha essa combinação de todas essas coisas boas para tornar tudo tão bom para os cães que estão aqui até encontrarmos lares para eles”, disse ele.

Aqueles que quiserem adotar um galgo podem entrar em contato com o National Greyhound Adoption Program através do seu site, www.ngap.org, ou pelo telefone 215-331-7918. As adoções custam US$ 280, o que inclui castração ou esterilização para os cães e qualquer outro atendimento veterinário que eles possam ter precisado.

Wolf, um proprietário de indústria de 79 anos, iniciou o National Greyhound Adoption Program em 1990, depois que um encontro casual durante as férias na Flórida provocou uma obsessão pelo resgate de galgos. Em uma pista de corrida de galgos em Hollywood, na Flórida, Wolf conheceu um homem que competia na corrida de galgos e que se gabou de descartar cães perdedores em laboratórios médicos por US$ 20 para reduzir as perdas.

A Flórida não terá mais pistas de corridas depois que os eleitores aprovaram de forma esmagadora uma emenda constitucional para acabar com as corridas de cães até 2021. Isso encerrará as 11 pistas de corrida do estado, deixando apenas seis pistas americanas em cinco estados: Alabama, Arkansas, Iowa, Texas e West Virginia.

Havia 63 pistas em todo o país nos anos 80, disse Jim Gartland, diretor executivo da National Greyhound Association (NGA), um grupo da indústria de corridas. A NGA registra cerca de 8.000 galgos por ano, contra o que era cerca de 30.000 por ano algumas décadas atrás, disse ele.

Corridas de galgos são há muito criticadas por relatos de maus-tratos a animais. Uma história do Daily News de 1994 detalhou exemplos notáveis incluindo a descoberta de 100 galgos famintos na Flórida em 1989 e 143 carcaças de galgos encontradas em um pomar de cítricos no Arizona, em 1992.

Gartland disse que muitas das críticas à indústria são exageradas e que existem “maçãs podres em todos os setores”.

“No geral, esta indústria trata esses animais melhor do que a maioria das pessoas trata seus animais de estimação”, disse ele.

Por Christian Hetrick / Tradução de Ana Carolina Figueiredo

Fonte: The Inquirer

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.