Gambá é golpeado e amarrado a um tronco; responsável foi preso

Gambá é golpeado e amarrado a um tronco; responsável foi preso

Após uma avaliação, detectou-se que uma gambá que havia sido submetida a agressão física e emocional estava com lesões e feridas na pele, além de hematomas.

Um novo ato de maus-tratos a animal foi registrado no último dia 6 no município de La Unión, em Nariño, na Colômbia, devido ao ataque a um gambá.

De acordo com as autoridades locais, o mamífero silvestre foi submetido a agressão física e emocional, o que ocasionou lesões e feridas dilacerantes na pele e hematomas que comprometem muito a sobrevivência do animal.

Posteriormente e como se evidencia através de imagens, o animal foi atado pelas patas e focinho em um tronco.

“Rejeitamos qualquer ato de crueldade contra os animais e relembramos que atos que envolvam a ameaça à vida e ao bem-estar dos gambás levam a penalidades e processos criminais conforme estabelecido pela lei”, disse Corponariño.

A procuradoria assegurou que já haviam sido tomadas medidas de urgência em caso de agravamento dos maus-tratos de animais silvestres ocorridos no município.

Por outro lado, sabia-se que a Procuradoria Geral da Nação encarregou-se deste caso e já identificou e individualizou o suposto agressor; enquanto a gambá ficou à disposição de Corponariño.

A Procuradoria processou o suposto responsável que atentou contra o mamífero.

“Os Gambás cumprem um importante papel no meio ambiente como dispensadores de sementes, além de controlarem as populações de escorpiões, aranhas, serpentes, ratos, crustáceos, entre outros; por isso a importância de se cuidar desta e de outras espécies naturais”, afirmou a entidade.

Tradução de Maira Lavalhegas Hallack

Fonte: Tubarco News


Nota do Olhar Animal: Os animais não têm que cumprir função ecológica alguma para que seus interesses sejam respeitados. Lamentavelmente, muitos atrelam este respeito e cuidado ao fato do animal servir a algum propósito que beneficie os humanos.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.