Gata desaparecida na Califórnia aparece no Canadá quatro anos depois

Gata desaparecida na Califórnia aparece no Canadá quatro anos depois

Ashley Aleman já não esperava ver a sua companheira malhada quando, há duas semanas, recebeu um telefonema que lhe renovou a esperança.

Do outro lado da linha, falava uma responsável de um abrigo para animais de companhia sediado no Canadá, a Guelph Humane Society, que deu as boas notícias a Aleman: BooBoo apareceu.

“Já tinha desistido de a procurar, por isso quando recebi a chamada, foi de outro mundo, não estava nada à espera”, disse, emocionada, à canadiana “CBC News”, esta quarta-feira.

Melissa Stolz, responsável da Guelph Humane Society, explicou à mesma estação que a gata foi encontrada em Morriston, a sul de Guelph e que foi levada até ao abrigo. A partir daí, foi uma questão de tempo até identificar o animal através da informação contida no seu microchip.

“Nessa altura, pensamos que os donos de BooBoo se tivessem mudado para o Canadá e se tivessem esquecido de alterar a informação do microchip, mas depois descobrimos que eles ainda moravam na Califórnia e que perderam lá a gata”, explicou Stolz.

Segundo o diretor da Guelph Humane Society, Adrienne McBride, a gata “está em boa forma, bem alimentada e até é capaz de precisar de uma dieta quando for para casa.” Que deverá estar para breve. O abrigo de animais tem estado a trabalhar com Aleman no sentido de a levar ao encontro do animal. Dentro de dias, a mãe de Ashley vai viajar para Nova Iorque, onde se vai reunir com um funcionário do abrigo e, claro, com BooBoo.

Segundo o diretor da Guelph Humane Society, Adrienne McBride, a gata “está em boa forma, bem alimentada e até é capaz de precisar de uma dieta quando for para casa”.

Como é que BooBoo conseguiu chegar ao Canadá é um mistério mas a dona, Ashley Aleman, suspeita de que terá ido à boleia. “Ela tinha o hábito de saltar para os carros de estranhos”, contou à “CBC”.

“Já avisei o meu marido para se preparar, porque eu vou passar-me, vou chorar. Perdê-la foi muito difícil. Estamos exatamente na mesma casa de onde ela saiu, por isso espero que lhe traga recordações”, desabafou.

Esta não é a primeira vez que um animal é encontrado a milhares de quilómetros do lugar de onde, anos antes, tinha desaparecido.

Fonte: Jornal de Notícias / mantida a grafia lusitana original

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.