Gata feral não deixava ninguém tocar nela – até que ela encontrou sua primeira dona

Gata feral não deixava ninguém tocar nela – até que ela encontrou sua primeira dona
Tabby’s Place

Uma gata feral e estrábica era uma verdadeira confusão quando chegou ao Tabby Place, um santuário e resgate para gatos em Nova Jersey.

Não era apenas uma gata selvagem peculiar morrendo de fome e de olhar esquisito, com as pupilas muito próximas de seu nariz — ela também era um tanto desagradável.

“Ela se escondia num canto e, quando você tentava tocá-la, ela lhe arranhava”, Leigh Covello, uma voluntária do Tabby e uma experiente assistente veterinária, disse ao The Dodo.

De fato, parecia improvável que alguém fosse capaz de amar verdadeiramente essa gata desajustada.

Mas a gata — que tem mais ou menos três anos de idade e que veio a ser chamada de Bubbles — tinha uma boa razão para estar na defensiva. Em sua colônia de gatos selvagens, ela não tinha sorte. Os outros gatos a incomodavam e não a deixavam comer quando os bons samaritanos deixavam comida para a gataria.

É possível que Bubbles também estivesse desorientada por causa das irregularidades em sua visão, por  isso ela atacava.

Tabby’s Place / Leigh Covello

Lentamente, Bubbles cresceu acostumada à vida no santuário, mas ela ainda não deixava as pessoas chegarem perto dela.

Ela fez amizade com um gato chamado Reggie. Mas então Reggie foi adotado, e mais uma vez Bubbles ficou sozinha.

Tabby’s Place

Ela estava deprimida obviamente, segundo Covello. Então, Covello, que viu algo de especial nessa gata estrábica, decidiu que talvez Bubbles fosse beneficiada com uma mudança de cena.

Apesar de Covello nunca ter conseguido nem tocar em Bubbles, ela decidiu levá-la para casa temporariamente.

“Eu achei que ela tinha potencial para ser uma gata adotável”, explicou Covello. “Então, nós fomos aprovados para abrigá-la.”

Tabby’s Place

Covello levou Bubbles e a manteve em um quarto separado, distante dos outros gatos da casa, enquanto ela se adaptava.

“Eu tinha medo de não vê-la mais”, lembrou Covello. Mas a família Covello toda se uniu para ajudar Bubbles a se sentir confortável. “Nós passamos muito tempo sentados na sala conversando com ela.”

E Bubbles começou a interagir.

Tabby’s Place / Leigh Covello

Em poucos dias do segundo mês de adoção, Bubbles começou a se sentir mais relaxada. Até deixava Covello tocá-la.

Tabby’s Place / Leigh Covello

E ela se familiarizou com Ellie, um dos gatos de Covello. “Ellie é o melhor amigo dela neste mundo”, disse Covello.

Os dois sobem juntos no arranhador próximo à vista da janela.

Tabby’s Place / Leigh Covello

E eles ainda brincam juntos como gatinhos.

Tabby’s Place / Leigh Covello

E Bubbles parece muito afeiçoada a Covello, também. “Agora, quando eu vou alimentá-la, ela me deixa até beijá-la no nariz,” disse Covello.

E, ao contrário de como Bubbles era na colônia de gatos selvagens, ela está confiante. “Ela empurra meus gatos para longe da tigela, mas não há nenhum problema,” riu Covello.

Tabby’s Place / Leigh Covello

Em pouco tempo, ficou claro que Bubbles não iria a lugar algum. E a família Covello a adotou oficialmente, e com prazer.

“Uma vez que ela chegou aqui, ela nunca saiu,” Covello riu. “Foi um prazer vê-la sair da sua concha…”

Tabby’s Place / Leigh Covello

Para ajudar o Tabby’s Place a resgatar mais gatos como Bubbles, você pode fazer uma doação aqui.

Por Sarah V. Schweig /  Tradução de Elisângela Gomes da Silva

Fonte: The Dodo

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.