Gata não quer parar de confortar cadela que teve um dia ruim na Carolina do Sul, EUA

Gata não quer parar de confortar cadela que teve um dia ruim na Carolina do Sul, EUA

Por Christian Cotroneo / Tradução de Marcelo Joazeiro

Ela pesava 14 quilos de desesperança – com Dirofilariose (verme do coração), muito fraca para se levantar, exausta de tantas ninhadas.

Assim a encontraram os funcionários do controle de animais do Condado de Carolina do Sul, EUA.

Até que Heidi Schermerhorn-Wagner a viu no abrigo.

Esta foto é de 21 de abril de 2011, o dia em que se conheceram.

EUA carolinadosul gatabeijacadela 2

“Eu sabia que a ajudaria de qualquer maneira”, contou ela ao site The Dodo.

Nos cinco anos seguintes, Heidi cuidou de Anna tornando-a saudável, espantou os demônios de seu passado e lhe deu muitas razões para viver.

Anna devolveu tudo centuplicado.

Na verdade, ela inspirou sua nova amiga a fundar uma operação de resgate naquele mesmo ano, chamada Boxer Butts & Other Mutts (algo como “Rabinhos de Boxers & Outros vira-latas”).

“Por causa dela, mais de três mil cães mudaram de vida”, conta Heidi.

Mas Anna também estava mudando. Um dia ela foi diagnosticada com câncer ósseo na pata dianteira direita, e radiografias revelaram que o câncer se espalhara para os pulmões.

Os médicos lhe deram de três a seis meses de vida.

Mas eles não contaram todas as razões que Anna tinha para viver.

Já faz um ano e meio desde o primeiro diagnóstico.

Anna ainda conforta e cuida de cada cão adotivo que chega à casa da família.

“A maioria deles está à beira da morte, mas ela não sai do lado deles”, diz Heidi. “Mesmo em seus piores dias ela continua tentando cuidar dos outros”.

Há poucos dias, Anna estava em um dia bem ruim. Ela deitou na varanda da casa, fraca e apática, pois ainda sofre com o câncer ósseo.

Izzy, a gata da família, se aproximou dela e gentilmente lambeu a cabeça de Anna. Por mais de meia hora.

“Anna também tinha ajudado a cuidar de Izzy quando ela ficou bem doente há alguns anos”, diz Heidi. “Parecia que Izzy se lembrou disso, e fez o que pôde para confortar Anna”.

Sim, Anna. Agora você tem amigos.

“Não vou a nenhum lugar sem Anna”, afirma Heidi. “Ela é literalmente meu corpo e alma. De modo algum posso dizer que a resgatei, porque, honestamente, ela é que me resgatou”.

“Ela me ensinou que não importa quão ruim esteja seu dia, que atitude é tudo e que nós sempre estendemos a mão (ou uma pata) na frente do outro e seguimos em frente”.

Quer ajudar a levar um pouco dessa esperança à vida de um cão? Considere fazer uma doação ao Boxer Butts & Other Mutts aqui.

Fonte: The Dodo

Mais notícias

{module [427]}

{module [425]}

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.