Gata paraplégica precisa de ajuda em Londrina, PR

Gata paraplégica precisa de ajuda em Londrina, PR

Mikaela Cristina do Nascimento Molari (20), que reside no Jardim Capricórnio e estuda Medicina Veterinária na Unifil, em Londrina, adotou uma gatinha paraplégica há aproximadamente um ano. Chamada de Sofia, a felina foi abandonada no sítio dos seus pais, no distrito do Bartira. Com seu grande amor por animais, a rolandense acolheu a gata, que tem idade estimada de 4 anos, mas tem dificuldade com as despesas de rotina e tratamento. “É difícil cuidar da Sofia porque eu tenho que comprar fraldas e remédios”, relatou.

Depois de fazer uma rifa, que ajudou a pagar consultas e exames da gata, é a própria Mikaela que faz a fisioterapia em Sofia, da forma que aprendeu com uma veterinária. Mesmo assim, a gatinha precisa retomar a acupuntura para melhorar sua condição e cada sessão custa R$ 90. “Acabou o dinheiro e não conseguimos fazer mais, mas estava dando resultados, ela estava ficando em pé e descia bem devagarzinho”, contou. “Segundo o veterinário, há a possibilidade de ela voltar a andar, mas será demorado e precisará de várias sessões de acupuntura”, afirmou Mikaela.

O caso de Sofia não é cirúrgico. “Não foi uma fratura e nem um trincado, foi uma luxação, então as vértebras dela estão juntas, então só a acupuntura e fisioterapia podem ajudar, não dá para fazer cirurgia mais”, explicou. A gata também usa de duas a três fraldas “adaptadas” por dia, já que sua condição impede que ela segure a urina. “Eu compro fraldas de recém-nascido para ela e eu mesma faço o furinho para passar o rabo dela, porque a fralda veterinária é muito mais cara”, revelou a estudante.

http://www.jornalderolandia.com.br/noticias/4139-gata+paraplegica+precisa+de+ajuda/

Nesta quarta-feira (19), Mikaela começou a venda de bolos de pote sob encomenda para ajudar nas despesas de Sofia. De início, serão três sabores pelo valor de R$ 5: leite ninho, prestígio e brigadeiro. As encomendas já podem ser feitas pelo WhatsApp dela: (43) 9.9819-5821. Além disso, Mikaela disponibilizou seu número para aqueles que puderem em ajudar com doações de remédios, fraldas e ração entrarem em contato com ela.

Fonte: Jornal de Rolândia

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.