Gato castrado de forma caseira e precária no sul de Minas é adotado por investigador da Polícia Civil

Gato castrado de forma caseira e precária no sul de Minas é adotado por investigador da Polícia Civil
Foto: Polícia Civil

Noticiamos no último dia 20 de agosto, que uma equipe de policiais civis prendeu em flagrante um idoso, de 69 anos, após ele castrar um gato de forma precária, utilizando um canivete. O caso aconteceu em Poços de Caldas, no Sul de Minas, mas teve um final feliz para o animal e quem o ajudou.

O gato foi adotado pelo investigador da Polícia Civil de Minas Gerais, Acássio José Paese, e recebeu o nome de Vitório. Segundo o policial, quando ele soube da história de maus- tratos que o animal sofreu, decidiu adotá-lo para que ele tenha uma vida, daqui pra frente, totalmente diferente.

O policial relata que “os felinos, ao contrário do que muitos pensam, são extremamente companheiros e fiéis aos tutores”, disse.

Conforme esclarece o delegado Thiago Gomes Ribeiro, “a alteração legislativa que passou a punir com mais rigor a prática de maus-tratos, sobretudo contra cães e gatos, permite uma ação mais incisiva da polícia. Estamos desenvolvendo ações para coibir tais práticas criminosas no município”, ressaltou o delegado.

Relembre o caso

Um homem, de 69 anos, foi detido pela Polícia Civil, em Poços de Caldas, no último dia 20 de agosto, suspeito de praticar maus-tratos a um animal. Os policiais receberam a informação de que o homem havia realizado a castração do animal na própria residência, sem observar os procedimentos veterinários adequados.

No local, a equipe constatou que o animal se tratava de um gato, o qual foi imediatamente encaminhado para um Núcleo Veterinário. lá, segundo a Polícia Civil, foi confirmado que teve os testículos retirados, de forma caseira e precária, bem como que estava recoberto de spray comumente utilizado para cicatrização.

O suspeito foi autuado em flagrante e encaminhado ao sistema prisional.

Por Iago Almeida

Fonte: Varginha Online

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.