Gatos de rua são envenenados em parques de campismo em Portugal

Gatos de rua são envenenados em parques de campismo em Portugal

As ninhadas de gatos de rua que proliferam em parques de campismo na Costa da Caparica, Almada, estão a ser mortas por envenenamento químico ou por afogamento em alguidares de água.

O JN confirmou que a situação está a ser investigada pela GNR, após queixa que chegou ao DIAP de Almada e há parques de campismo onde a problemática já motivou conflitos entre utentes. Também a Autarquia aponta para a existência “no passado” de algumas denúncias a este nível, apesar de nada ter sido comprovado.

Marta Duarte, 43 anos, utente do Parque de Campismo Piedense, confirma ao JN ter apresentado queixa na GNR sobre a morte dos felinos e queixa-se mesmo de represálias por ser “voz ativa contra este crime”.

Gata de mulher que denunciou os crimes foi pontapeada no Parque de Campismo Piedense.

“Já pontapearam brutalmente a minha gata à frente do meu alvéolo porque me insurgia contra a morte brutal das ninhadas de gatos”. A lisboeta aponta, a título de exemplo, para a existência de cerca de 20 a 30 gatos junto das casas de banho num dia e no outro apenas três ou quatro.

“Há pessoas que envenenam os gatos com “mistolin”, um produto que os destrói por dentro”, denuncia a utente.

Contactada pelo JN, a direção deste parque de campismo diz desconhecer qualquer prática de maus-tratos aos animais, repudia os mesmos e reconhece uma tendência de aumento de gatos errantes. Conta que há cerca de três anos, uma associação especializada procedeu à esterilização de algumas dezenas de gatos. Hoje, constatando-se que o número de gatos voltou a aumentar, pediu a intervenção dos serviços veterinários da Câmara de Almada, que “não empreendeu nenhuma iniciativa concreta”, avança a direção do parque. Sem resposta, “voltámos ao contacto com associações especializadas, em moldes idênticos aos que já anteriormente havíamos adotado, estando presentemente a decorrer contactos, já em fase adiantada, pelo que esperamos para breve o início das ações concretas”.

Conflitos entre campistas

No Parque de Campismo do Clube de Campismo de Lisboa (CCL), a direção aponta a proliferação de gatos de rua no interior dos parques de campismo como “um problema permanente, de difícil controlo, gerador de preocupações relacionadas com a saúde pública, por um lado, e de respeito pelos animais, por outro”.

“Esta problemática tem mesmo sido motivo de conflitos recorrentes entre utentes com diferentes perspetivas sobre este problema”, revela a entidade responsável. Neste parque de campismo chegou recentemente uma queixa relacionada com a morte dos felinos. A direção abriu um processo de averiguações e, simultaneamente, foi feito um comunicado aos utentes “repudiando tais práticas e solicitando que denunciem prontamente quaisquer factos relacionados com esta matéria de que tomem conhecimento”.

A Câmara de Almada tem, ao longo dos anos, efetuado esterilização de felinos do CCL por mediação da associação “Onde há gato não há rato”. Ao JN, fonte oficial da Autarquia afasta o aumento do número de gatos errantes na Costa da Caparica, pois não existem dados que permitam demonstrar tal fenómeno. “Existe, desde maio de 2012, uma intervenção do Município sobre esta população, através da esterilização, em parceria com associações de proteção animal, que permitiu já a intervenção de cerca de 680 felinos”, refere a fonte camarária.

Associação retirou baldes de gatos mortos do INATEL

Patrícia Perdigão, presidente da Associação Caparica animal, diz já ter retirado baldes de gatos mortos no parque de campismo do INATEL, que não respondeu às questões colocadas pelo JN. A dirigente aponta uma solução: “Se a Autarquia não consegue dar resposta às solicitações periódicas, tem que entregar às associações a responsabilidade de atuar sempre que necessário”. Há que perceber, lembra Patrícia, ” que se os gatos desaparecerem dos parques de campismo, surgem outras pragas mais desagradáveis, como ratos”.

Por Rogério Matos 

Fonte: Jornal de Notícias / mantida a grafia lusitana original

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.