Gatos recém-nascidos são abandonados em sacola plástica amarrada em Belém, PA

Gatos recém-nascidos são abandonados em sacola plástica amarrada em Belém, PA
Na imagem, o resgate dos gatos. (Gatos recém-nascidos abandonados em saco plástico)

Relatos de abandono e maus-tratos de animais são recorrentes na capital paraense, mesmo com o aumento de políticas de conscientização. Só na manhã de hoje, duas denúncias foram encaminhadas à redação do Jornal O Liberal sobre o tema.

Denúncias anônimas mostram vídeos de animais que foram abandonados com sinais de maus-tratos. Um deles, gatos recém-nacidos jogados no lixo, dentro de uma sacola plástica, na Travessa Timbó, no bairro da Pedreira.

Em outro relato, há registros de um cachorro preso por uma corrente em uma área aberta, durante a forte chuva que caiu na noite de terça-feira (24). Ele está com as orelhas feridas e problemas de visão.

Nos dois casos, as próprias pessoas que fizeram os registros socorreram os animais com a ajuda de quem estava por perto. Os gatos foram aquecidos e alimentados, enquanto que o cachorro foi solto e fugiu do local.

“Me deparei com essa desumanidade. A gente ia passando perto do lixo quando ouvimos miados. Eles estavam dentro de duas sacolas e todas muito bem amarradas”, disse o denunciante a respeito dos gatos. No vídeo, uma pessoa rasga a sacola plástica e retira três bichanos que estavam morrendo por asfixia.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (Segup), só em 2021 foram registrados 19 casos de maus-tratos a animais com resultado em morte.

Abandonar ou maltratar animais é crime

A legislação prevê pena de três meses a um ano de detenção para quem comete os crimes. A penalidade aumenta de um sexto a um terço se ocorrer a morte do animal. A Demapa orienta que todas as denúncias sejam feitas pelo número 181, que funciona 24 horas por dia. Ou pelo telefone da Demapa (91) 3238-1225, em horário comercial. Pode ser feita pessoalmente na delegacia, ou na delegacia virtual https://www.delegaciavirtual.pa.gov.br/

Por Carolina Mota (sob supervisão de Eduardo Laviano)

Fonte: O Liberal