Gibraltar proíbe balões de gás para ajudar a salvar animais selvagens e marinhos

Gibraltar proíbe balões de gás para ajudar a salvar animais selvagens e marinhos

Soltar balões é danoso ao meio-ambiente, à vida selvagem e aos animais marinhos. Os balões sujam córregos, lagos e praias, e até mesmo os balões anunciados como “amigos do meio ambiente” levam um longo tempo para se desintegrar. As cordas dos balões também podem ficar presas ao redor do pescoço de aves e elas podem morrer por causa do consumo dos mesmos. De forma similar, animais marinhos também ficam confusos e comem os balões quando estes acabam no oceano. Tartarugas marinhas, golfinhos e peixes frequentemente confundem pedaços de balões com alimento e morrem ao ingeri-los. É por isso que Gibraltar decidiu proibir balões de com gás hélio!

Foto: David E. Gurniewicz/Balloonsblow.org

Todos os anos, no dia 10 de setembro, Dia Nacional, Gibraltar tinha uma tradição de soltar 30.000 balões vermelhos e brancos em homenagear cada pessoa que mora no território. Entretanto, em 2016, a tradição foi cancelada quando perceberam o impacto que os balões causavam no meio-ambiente e na vida selvagem. Recentemente, funcionários do governo de Gibraltar decidiram ir além e proibiram a soltura por completo de balões de hélio.

Foto: The Sun

Quando anunciou esta decisão, o governo de Gibraltar declarou, “Desta forma, o governo quer reiterar seu comprometimento com oceanos limpos, livres de plásticos e outros materiais não biodegradáveis que causam tanto dano à vida selvagem”. É uma decisão importante que, esperamos, seja seguida por outros governos. Uma tradição não significa necessariamente que deva ser seguida se causa danos ao planeta ou às criaturas com quem compartilhamos este mundo.

Se você está interessado em ajudar a vida selvagem, confira o artigo Organizações de vida selvagem reaproveitam hastes de rímel para limpar pequenos Animais para saber como você pode enviar suas hastes velhas de rímel a grupos de reabilitação de vida selvagem para ajudar pequenos animais.

Por Sharon Vega / Tradução de Alice Wehrle Gomide
 

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.