Yvelise, primeira girafa a nascer no zoológico de Brasília (Foto: Luiz Filipe Carneiro/FJZB )

Girafa Yvelise morre no Zoológico de Brasília, DF

A girafa Yvelise do Zoológico de Brasília morreu ontem (24/3) aos sete anos devido a uma necrose no cólon causada pela torção de uma das alças intestinais. O material genético da girafa foi coletado e ela será taxidermizada.

Segundo veterinários da pasta, na quarta-feira (21), a girafa se apresentou apática e com falta de apetite. Exames realizados na quinta-feira (22), apontaram que Yvelise estava com alterações renais e desidratação, o que sugeria um quadro de obstrução no intestino.

Na sexta-feira (23), uma equipe de veterinários, cirurgiões e anestesistas se reuniu em uma junta médica e decidiu realizar ontem (24) uma cirurgia abdominal para descobrir a origem da obstrução e corrigir o problema. No entanto, o animal não resistiu e passou por uma necropsia para determinar a causa da morte. O material coletado foi encaminhado para análises laboratoriais.

Em nota, o Zoológico de Brasília afirmou que a equipe está sentida e que considera a morte do animal uma “fatalidade”. Ainda de acordo com a pasta, mamíferos ruminantes estão sujeitos a este tipo de alteração no sistema digestório e que muitas vezes não permite tempo para uma intervenção.

Para a presidente da Federação de Animais do Distrito Federal e da Confederação Brasileira de Proteção Ambiental, Carolina Mourão, a morte da girafa e de outros animais, como o elefante Babu, é resultado de uma má administração.

Yvelise ainda pequena: filha de Leo e Yaza, ela nasceu no zoo, há 7 anos (Foto: Carlos Vieira/Esp. CB/D.A Press)
Yvelise ainda pequena: filha de Leo e Yaza, ela nasceu no zoo, há 7 anos (Foto: Carlos Vieira/Esp. CB/D.A Press)

“O zoo de Brasília que é recordista na morte de animais sofre de ingerência há muitos anos. A comida deles é contada. Tem um cenário de tragédia. Temos também sabotadores no local. Para que pare de ocorrer é necessário substituir troca de favores políticos e investir em funcionários com plano de carreira. Esse é o centro do debate. É uma fundação autônoma que precisa responder pelos seus problemas. Fato é que é uma sucessão de mortes fora da curva”, ressaltou.

Yvelise é filha da girafa Leo, que morreu em 2011, aos 17 anos, e da girafa Yaza, que nasceu no Zoológico de Belo Horizonte em julho de 2003 e chegou ao Distrito Federal em agosto de 2004.

Nesta sexta-feira (23) aconteceria o julgamento da ação popular que pede o fechamento temporário do zoológico após a morte do elefante Babu. A audiência acabou sendo adiada para o dia 9 de abril, a pedido da procuradoria Geral do Distrito Federal. A ação é movida pela Confederação Brasileira de Proteção Ambiental, que alega falta de vigilância no caso de Babu, além de registros de estresse e alimentação deficiente dos animais e falta de câmeras no local.

Fonte: Correio Braziliense

LEIA MAIS

Elefante que morreu no zoológico de Brasília pode ter sido envenenado

Após morte de elefante Babu, ação na Justiça pede suspensão de visitas ao Zoo de Brasília, DF

Após morte de elefante, girafa do Zoológico de Brasília apresenta problema de saúde