Golfinho encontrado morto com manchas de óleo na Praia da Taíba, no Ceará. — Foto: Chirley Mara

Golfinho com manchas de óleo é encontrado morto na Praia da Taíba, no Ceará

Um golfinho foi encontrado morto com manchas de óleo na orla da Praia da Taíba, em São Gonçalo do Amarante, na Grande Fortaleza, na manhã deste sábado (5). O animal foi resgatado pela prefeitura do município.

Praias do Nordeste, incluindo do Ceará, apresentam nos últimos dias manchas pretas espalhadas pela orla, afetando a balneabilidade e a vida marinha. Outras cinco tartarugas foram encontradas recobertas em óleo no litoral cearense, duas das quais estavam mortas, além de uma ave marinha.

O animal tinha manchas de óleo na boca e nas nadadeiras. De acordo com um relatório do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama), pelo menos quatro animais já foram resgatadas atingidos pelo material oleoso no Ceará. Há registros de manchas de óleo em pelo menos 124 praias em todos os estados do Nordeste.

Manchas de óleo em praias do Nordeste — Foto: Infografia: G1
Manchas de óleo em praias do Nordeste — Foto: Infografia: G1

O cetáceo foi achado encalhado na areia pela professora de biologia Chirley Mara, enquanto caminhava pela orla por volta de 7h deste sábado. Além do mamífero, ela encontrou uma caravela portuguesa morta no mesmo local, mas sem manchas de óleo.

A Secretaria do Meio Ambiente do Ceará (SEMA) deve fazer uma análise sobre a possível causa da morte do golfinho, afirma Aline Parente, gestora da Unidade de Conservação da secretaria.

O animal foi resgatado pela Prefeitura de São Gonçalo do Amarante. — Foto: Reprodução / Chirley Mara
O animal foi resgatado pela Prefeitura de São Gonçalo do Amarante. — Foto: Reprodução / Chirley Mara

De segunda a sexta, animais oleados podem ser resgatados pela Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace). O Projeto Manati, da ONG Aquasis, oferece um plantão 24h para receber informações de animais encontrados com manchas de óleo e realizar o resgate, pelos números (85) 3113-2137 e (85) 99800-0109.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.