Golfinho de 150 kg é colocado em ‘piscina improvisada’ na praia após encalhar em SC

Golfinho de 150 kg é colocado em ‘piscina improvisada’ na praia após encalhar em SC
Golfinho foi colocado em "piscina" cavada na orla da Praia da Vila — Foto: PMP-BS/ Divulgação

Um golfinho de cerca de 150 kg precisou ser colocado em uma “piscina” cavada na orla da Praia da Vila, em Imbituba, no litoral norte de Santa Catarina, após encalhar no local. A estratégia foi usada para mantê-lo hidratado com água salgada.

O cachalote-pigmeu ficou no espaço improvisado por cerca de 10 horas, até poder ser levado para reabilitação em Florianópolis no sábado (6), segundo o Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS).

Apesar dos esforços, ele morreu na madrugada deste domingo (7), na Capital catarinense.

Ocorrência

Quando foi encontrado na praia, segundo o PMP-BS, o golfinho estava agitado e apresentava diversos ferimentos por causa do arrasto na areia. Também tinha lesões decorrentes da predação de isópodes.

Para não machucá-lo ainda mais, a equipe cavou a piscina na própria orla. Exclusivamente aquático, a pele do animal resseca fora da água. Conforme o PMP-BS, esse foi o primeiro encalhe de mamífero vivo em Santa Catarina em 2024.

As avaliações iniciais do animal foram feitas pela equipe do PMP-BS da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), responsável pelo trecho do encalhe, e mostraram que o cetáceo era um macho que media aproximadamente 2 metros.

Morte

Para garantir rapidez ao trajeto de Imbituba até Florianópolis, a equipe da PMP-BS foi escoltada pela Polícia Militar Ambiental (PMA) e Polícia Rodoviária Federal até a sede do R3 Animal, onde o animal seria reabilitado.

Golfinho foi levado para reabilitação em Florianópolis, mas não resisitu — Foto: PMP-BS/ Divulgação
Golfinho foi levado para reabilitação em Florianópolis, mas não resistiu — Foto: PMP-BS/ Divulgação

Ao chegar na base, o animal foi pesado e transferido para uma piscina adequada para cetáceos de até 3 metros e seguiu monitorado pela equipe técnica do PMP-BS/R3 Animal. No entanto, ele morreu por volta das 2h45 deste domingo. Exames serão feitos para investigar a causa do encalhe e do óbito.

O cachalote-pigmeu vive em águas profundas, em alto mar, e não tem costume costeiro. Segundo o PMP-BS, quando encalham nas praias, já estão debilitados e, muitas vezes, com a condição corpórea comprometida.

Por Sofia Mayer

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.