Golfinho é achado morto com lesões causadas por rede de pesca em SP

Golfinho é achado morto com lesões causadas por rede de pesca em SP

Um golfinho foi encontrado morto em Bertioga, no litoral de São Paulo, na Praia da Enseada. Este é o segundo caso do tipo registrado na cidade em menos de quatro dias. Na última sexta (27), outro golfinho foi encontrado na Praia do Indaiá.

Segundo o vendedor ambulante Alex Amorim, o golfinho estava com marcas que pareciam terem sido feitas por linha de rede de pesca. “Trabalho há quatro anos na praia e nunca me deparei com esse tipo de situação. É muito triste porque essa é uma espécie que está praticamente desaparecendo do nosso planeta”, diz.

VÍDEO: Golfinho é encontrado morto por vendedor ambulante em Bertioga, SP

O homem trabalha vendendo bolos de pote e avistou o animal quando passava pelo local. Ele diz que logo após o golfinho ser encontrado, “homens que faziam a limpeza da praia pegaram o animal, colocaram em um saco de lixo e levaram embora”.

O Gremar informou ao G1 que o animal que aparece nas imagens é da espécie Pontoporia bainvillei, conhecida como toninha. O acionamento da equipe foi feito pelo Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS) e, devido ao avançado estado de decomposição, não foi possível determinar se a toninha era fêmea ou macho.

O Instituto lembra que as toninhas estão ameaçadas de extinção e dois fatores têm sido determinantes neste sentido: a poluição dos oceanos, que causa a ingestão de lixo por parte dos animais, e a interação com a pesca em condições inadequadas.

O Gremar monitora o trecho entre as cidades de São Vicente, Santos, Guarujá e Bertioga. Para acionar o serviço de resgate de golfinhos, tartarugas e aves marinhas, o Instituto disponibiliza o telefone 0800-642-3341, que funciona 24h.

Dia da Toninha

A toninha é a espécie de golfinho mais ameaçada do Brasil e poderá estar extinta em até 35 anos, caso não seja protegida, segundo informações repassadas pelo Instituto Biopesca ao G1. A espécie ganha reconhecimento neste 1º de outubro, data proposta por pesquisadores como “Dia Nacional da Toninha”.

A data foi escolhida como uma forma de tornar a espécie mais conhecida e também chamar a atenção para o risco de extinção da espécie. O dia 1º de outubro foi o eleito em uma campanha realizada por pesquisadores que estudam medidas de proteção à toninha e escolhido pela maioria por marcar o início dos nascimentos da espécie.

Ainda segundo o Biopesca, entre agosto de 2015 e agosto de 2019, um total de 2.020 toninhas foram recolhidas mortas ou resgatadas ainda com vida por instituições que executam o PMP-BS no litoral de Paraná, Santa Catarina e São Paulo. Só em São Paulo, 1.036 foram encontradas. A maior parte dos animais já estava sem vida, uma vez que é raro conseguir efetuar o resgate de indivíduos vivos.

Outra toninha foi encontrada morta no último dia 27 na praia de Indaiá, em Bertioga, SP — Foto: Divulgação/Gremar
Outra toninha foi encontrada morta no último dia 27 na praia de Indaiá, em Bertioga, SP — Foto: Divulgação/Gremar

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.