Golfinhos estão morrendo devido ao derramamento de petróleo pela BP – Use a sua voz pelo fim das perfurações de poços petrolíferos

Golfinhos estão morrendo devido ao derramamento de petróleo pela BP – Use a sua voz pelo fim das perfurações de poços petrolíferos
Foto: Tory Kallman / Shutterstock

O protesto público e as preocupações sobre o derramamento de petróleo da Deepwater Horizon/BP no Golfo do México, ocorrido em abril de 2010, dissiparam-se em grande parte, embora muito do próprio petróleo e os inúmeros efeitos adversos desse evento certamente não.

Os impactos do vazamento ocorrido há sete anos foram calamitosos ao extremo e continuarão sendo. Durante o período de 87 dias em que ocorreu o vazamento, milhares de animais marinhos foram mortos, entre eles, muitos golfinhos nariz-de-garrafa. Tragicamente o número dessa espécie caiu pela metade e, de acordo com as pesquisas na St. Andrews, vai levar 40 anos para que essa população se recupere.

Os golfinhos na região do Golfo representam 30 por cento de toda a sua população nos Estados Unidos e os cientistas acreditam que um quarto da quantidade de golfinhos nariz-de-garrafa que permaneceram na área está agora abaixo do peso e em condições precárias e críticas. Raramente um número tão alto de golfinhos da Baía de Barataria sofre com problemas pulmonares e adrenais. Problemas de fígado, pneumonia e desequilíbrios hormonais são agora comuns nesses animais em toda a região, e tudo isso talvez explique porque os golfinhos ficam encalhados na costa do Golfo, inclusive os bebês cujo número também é alto.

“Apesar de todas essas incertezas, está claro que muitas populações desses mamíferos marinhos foram muito afetadas pelo derramamento de petróleo, e esses efeitos negativos ainda vão persistir por muitos anos futuros”, afirmou Dr. Len Thomas, diretor do Centre for Research into Ecological and Environmental Modelling (CREEM) em St. Andrews.

A nossa dependência do petróleo é a raiz de todo esse sofrimento, e isto certamente não está restrito a esse único incidente, nem apenas nessa região. A vida marinha da região ártica também está passando extremas dificuldades devido à exploração de petróleo, e derramamentos de petróleo por todo o país estão devastando nossa vida selvagem, as terras públicas e a qualidade da água. Só em dezembro, 176.000 galões de petróleo cru vazaram de um oleoduto rompido próximo a Belfield, Dakota do Norte, e os efeitos disso serão sentidos por muitos anos vindouros. Enquanto isso, a Casa Branca está  autorizando a perfuração de mais poços de petróleo e projetos de oleodutos, apesar dos relatórios ambientais indicarem muitos riscos envolvidos.

A saúde pública, os direitos humanos e a conservação ambiental devem prevalecer sobre o lucro obtido pelas empresas de gás e petróleo, e está muito claro que isso não se sucederá durante a atual administração se nós não tomarmos uma posição:

  • Assinando esta petição a fim de incitar que o congresso defenda a saúde pública e a proteção do meio ambiente.
  • Participando de protestos (Standing with Standing Rock) e exigindo a descontinuação da construção dos oleodutos Dakota Access Pipeline.
  • Apoiando organizações que estão na luta pelo fim de perfurações no mar.
  • Eliminando ou, pelo menos, reduzindo bastante nosso consumo de todos os produtos feitos com petróleo e gás, inclusive plásticos.

Por  Kim Smith / Tradução de Elisângela Gomes da Silva

Fonte: One Green Planet 

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.