Governador de MG veta PL que proíbe uso de animais em testes de produtos cosméticos

Governador de MG veta PL que proíbe uso de animais em testes de produtos cosméticos
Veto foi anunciado nesta segunda (15) (Foto: REPRODUÇÃO/AGÊNCIA MINAS)

Animais poderão continuar sendo utilizados para testes de produtos cosméticos. A decisão é do governador Fernando Pimentel (PT) que vetou integralmente o projeto de lei (PL) que proibiria o uso de animais para este fim.

A justificativa apresentada pelo governador do Estado é de que as pesquisas no setor ficariam prejudicadas e correriam “grandes riscos”. O PL que foi apresentado na Assembleia Legislativa em 2015 teve aprovação em diversas comissões e nos dois turnos sem que algum deputado o rejeitasse na casa.

Em conversa com o Bhaz, Adriana Araújo, coordenadora do Movimento Mineiro pelos Direitos Animais (MMDA), classificou a decisão de Pimentel como “absurda”. “Estamos a todo vapor para repudiar esta decisão que é retrograda e ultrapassada. O Pimentel não honrou seu lema de governo que é “Diálogo, equilíbrio e trabalho”, afirmou.

Adriana contou que não esperava o veto por parte de Pimentel e que o próximo passo será conversar com os deputados. “Queremos que os deputados derrubem o veto do governador. Mais uma vez Minas Gerais dá um passo para trás no que diz respeito ao trato com os animais”, disse.

Atualmente seis estados da federação proíbem testes de cosméticos em animais. São eles: São Paulo, Paraná, Pará, Amazônia, Mato Grosso do Sul e Rio de Janeiro.

“Na Europa e nestes estados animais não são torturados para produção de produtos de beleza. Os métodos alternativos estão disponíveis para serem utilizados. Precisamos mobilizar a população”, concluiu Adriana.

O PL proibiria o uso dos animais para testes em perfumes, produtos cosméticos, de higiene pessoal e seus componentes. Caso fosse aprovado pelo governador a empresa que descumprisse a lei poderia ser punida com multa e até mesmo a suspensão da venda do produto.

Por Vitor Fórneas

Fonte: BHAZ

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.