Governo francês anunciou proibição progressiva de animais em circos e aquários

Governo francês anunciou proibição progressiva de animais em circos e aquários

O Governo francês anunciou esta terça-feira a proibição “progressiva” do uso de animais selvagens em circos e o fim da criação de vison-americano em cinco anos, dentro de uma série de medidas a favor do bem-estar dos animais em cativeiro.

A reprodução em cativeiro de orcas e golfinhos, ou a sua introdução em zoológicos ou aquários, também será proibida, anunciou a ministra da Transição Ecológica, Bárbara Pompili.

Além disso, trabalhará com zoológicos para melhorar as condições de vida dos animais em cativeiro.

A ministra não detalhou um cronograma preciso para a implementação da proibição de circos itinerantes e aquários.”Definir a data não resolve todos os problemas, prefiro iniciar um processo para que termine o mais rápido possível”, explicou a ministra, em conferência de imprensa.

O Governo contribuirá com oito milhões de euros para a conversão de circos e aquários, com ajudas específicas para a formação do pessoal afetado em novas profissões.

Pelos cálculos oficiais, os circos mantêm 500 animais silvestres em todo o país, para os quais serão estudadas soluções “caso a caso”, uma vez que não podem ser libertados.

Para as orcas e golfinhos dos três aquários do país, Pompili explicou que estão a estudar a criação de um “santuário” no qual possam ficar até ao final de suas vidas e calculou que levará até dez anos para os últimos golfinhos deixarem os aquários.

A ministra lembrou que mais de 400 localidades em todo o país já proibiram ou limitaram as exibições de animais.

A associação L214, que se opõe à criação de animais para a utilização das peles, congratulou-se com o anúncio do Governo e lembrou que outros países europeus antes grandes produtores de peles, como Áustria, Noruega, Holanda ou Bélgica, já proibiram essa prática e outros estão em processo de legislar no mesmo sentido.

A França atualmente tem quatro locais de criação de vison-americano para uso das suas peles.

Fonte: TSF / mantida a grafia lusitana original 

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.