Governo reativa serviço para apreender animais soltos nas vias em São João da Barra, RJ

Governo reativa serviço para apreender animais soltos nas vias em São João da Barra, RJ
Foto: Ascom

A Prefeitura de São João da Barra (SJB), por meio das secretarias de Ordem Pública e de Agricultura, reativou em janeiro deste ano o serviço de correição animal nas vias públicas do município. A finalidade é intensificar o recolhimento dos animais soltos, evitando transtornos à população e acidentes de trânsito. Além da possibilidade de transmissão de doenças, esses animais danificam praças e jardins.

“Colocamos à disposição da população os telefones 153 e (22) 99996-2706 para denúncias de animais soltos nas estradas”, informou o secretário de Ordem Pública, Maxwell de Araújo, avisando aos proprietários rurais para não deixar animais soltos, pois em caso de acidente responderão criminalmente as sanções penais cabíveis.

A coordenadora de Correição Animal, Flávia Alves Novas, disse que os proprietários têm prazo de até 15 dias para retirada dos animais apreendidos. “Após esse período, os animais serão removidos para o Rio de Janeiro pelo Batalhão de Polícia Rodoviário Estadual  (BPRv)”, afirmou Flávia, informando que, até o momento, 14 equinos foram devolvidos aos donos.

“A liberação é feita no curral da correição, localizada na BR-356, próximo ao Horto Municipal, entre Atafona e SJB, mediante apresentação de cópia e original dos documentos: identidade, CPF, comprovante de residência e pagamento da taxa de liberação, no Setor de Tributos da Prefeitura”, explicou a coordenadora.

Fonte: NF Notícias (com informações da Ascom)


Nota do Olhar Animal: É lamentável que um animal que foi negligenciado pelo tutor seja devolvido à ele. Por um lado, falta uma legislação que proíba isto. por outro, faltam santuários que recebam estes animais. Mas o Poder Público ainda vê estes animais como “transtorno” e “perigo para a saúde pública” e não como seres dignos de respeito. Pouca o nenhuma é a preocupação com os próprios animais, vítimas na situação.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.