Governo vai analisar proposta para doar leão que vive no Zoológico de Brasília

Governo vai analisar proposta para doar leão que vive no Zoológico de Brasília

Secretaria do Meio Ambiente recebeu ofício nessa quarta-feira (12) da Associação Santuário Ecológico Rancho dos Gnomos, de São Paulo.

DF doacao leao

A Secretaria do Meio Ambiente recebeu, nessa quarta-feira (12), a proposta formal da Associação Santuário Ecológico Rancho dos Gnomos, de São Paulo, para a doação do leão Dengo. Ele chegou à Fundação Jardim Zoológico de Brasília em 21 de julho de 2011 com problemas de desenvolvimento corporal causados por má alimentação e por falta de qualidade no confinamento anterior em um circo.

O secretário André Lima diz que, antes de ser tomada qualquer decisão, é necessário avaliar quesitos jurídicos, técnicos e veterinários, além de obter autorização do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) para a transferência. “Não existe objeção do governo a uma doação do Dengo, desde que haja condições melhores de tratamento do que as que ele já recebe aqui.” O objetivo é garantir que a viagem seja segura para o animal, que está com a idade avançada. Segundo Lima, ainda será avaliada a possibilidade de que outras instituições manifestem interesse.

Dengo tem quase 16 anos, quando, segundo biólogos do zoo, a expectativa de vida dos leões criados em cativeiro é, em média, de 18 anos. Pelo fato de ser idoso, a hipótese de ele ir para um santuário não está descartada. O felino ocupa um recinto de tratamento com 77 metros quadrados, onde é acompanhado diariamente, em esquema de plantão, por uma equipe de veterinários, biólogos e zootecnistas. Desde que chegou, nunca foi colocado em área de exposição.

Inspeções

Para o vice-governador Renato Santana, a doação só é válida se for totalmente positiva para o animal. “Ele nunca teve histórico de maus-tratos no Zoológico de Brasília e está vivo graças aos cuidados que a equipe de profissionais tem tido com ele desde a sua chegada.” Neste ano, pelo menos três inspeções, do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios, do Conselho Regional de Medicina Veterinária e da Vigilância Sanitária, constataram as boas condições de tratamento dos bichos no zoológico.

Dengo chegou a Brasília depois que o zoológico de Niterói, no Rio de Janeiro, fechou por falta de licença para funcionar. Desde então, o leão, que tem aids felina além da doença ósseo-metabólica, não fica exposto, pois não pode ter contato com outros animais.

Fonte: Jornal de Brasília 

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.