Gremar registra aumento de 30% de animais silvestres em situação de maus-tratos em Itanhaém, SP

Gremar registra aumento de 30% de animais silvestres em situação de maus-tratos em Itanhaém, SP
Na ONG estão mais de 60 animais vítimas de maus tratos ou abandono em tratamento / Nayara Martins/DL

O Centro de Reabilitação de Animais Silvestres, o Instituto Gremar, em Itanhaém, tem registrado aumento no acolhimento de animais silvestres. Nesta temporada de verão, o aumento foi de cerca de 30% de animais que são vítimas de maus-tratos ou sofrem acidentes em rodovias ou em áreas residenciais.

A afirmação é de uma das veterinárias do Gremar, Jessica da Silva Paulino, que acompanha o tratamento e a recuperação desses animais silvestres na entidade. 

Hoje, na base do Gremar, estão em tratamento 67 animais silvestres, sendo a maioria filhotes. “Estamos recebendo, em média, 50 animais por mês. Esse aumento começa na primavera, porque eles se reproduzem e os filhotes começam a nascer nesta época”, explica.

Outra razão para o aumento ocorre devido à presença de turistas na cidade. “Um exemplo são animais que ficam dentro das residências de veraneio, que estavam fechadas e, ao serem ocupadas, os animais podem ser atacados por cães”. 

A maior parte de animais silvestres que é enviada ao Gremar são órfãos ou atacados por cães e gatos. Eles ainda podem ser atropelados em rodovias ou sofrer colisões em residências. Essas situações acontecem tanto com as aves, como também com gambás ou saruês, segundo Jessica.

“Temos os que estão em tratamento intensivo, os que vão para o recinto e, após isso, eles vão para a soltura. Em média, o filhotes de aves levam cerca de dois meses para serem soltos. Já os mamíferos, dependendo da causa de maus-tratos, podem levar até três meses para a recuperação”.

Soltura

Após a recuperação é escolhido um local de soltura de aves e mamíferos em parceria com a Secretaria Municipal de Meio Ambiente. A parte de resgate é feita pela Polícia Ambiental e pela Guarda Civil Municipal. 

A soltura é feita em um local mais preservado na mata e longe de residências. “A ação é acompanhada por uma bióloga da secretaria de Meio Ambiente e um técnico do Gremar, em uma área apropriada conforme a espécie”, esclarece. 

“Itanhaém é uma cidade rica em áreas de mata. O problema são as casas que são construídas nessas áreas de mata, o que pressiona os animais a procurarem a Cidade”, completa.

Já as corujas buraqueiras, que formam ninhos na praia do Centro, também vão ganhar telas de proteção em um novo ninho onde elas estão formando.     

Educação ambiental

O Gremar também realiza um trabalho de educação ambiental. Entre as ações estão a limpeza das praias. No mês de dezembro foi montado um estande para dar orientações sobre os perigos com as redes de pesca. 

“Nosso objetivo é orientar as pessoas para que os animais nem cheguem até aqui. E que elas tenham mais consciência e carinho pelos animais”, frisa a veterinária.

O Gremar atua em parceria com empresas. Uma delas é a Santos Brasil. A entidade está aberta às empresas interessadas em colaborar com a recuperação de animais silvestres.   

Pessoas que tiverem denúncias sobre animais debilitados ou em situação de maus-tratos, podem fazer contato com a Polícia Ambiental e a Guarda Civil Municipal. Ou pode levar o animal diretamente ao Gremar.

Maus-tratos aos animais silvestres são considerados crime ambiental.     

A base do Gremar funciona todos os dias, no horário das 8 às 17 horas. Fica localizada na avenida Presidente Vargas, 611, no centro de Itanhaém.

Por Nayara Martins

Fonte: Diário do Litoral

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.