Grupo de direitos dos animais na Índia exige investigação sobre mortes de elefantes

Grupo de direitos dos animais na Índia exige investigação sobre mortes de elefantes
O secretário do HATF, V K Venkitachalam, disse que em todos os cinco casos, os agentes florestais de níveis inferiores, que vão desde Oficial de Campo até Guarda Florestal, supervisionaram a autópsia das carcaças. (AP Photo / Representativa)

Um grupo notável na luta pelos direitos dos animais, o Heritage Animal Task Force (Força Tarefa pelos Animais de Patrimônio) exigiu uma investigação das mortes frequentes de elefantes selvagens dentro das florestas de Athirappilly-Vazhachal, no distrito de Thrissur, a cerca de 260 km de Thriruvananthapuram. Nos últimos 17 dias, carcaças de cinco elefantes selvagens com ferimentos em todo o corpo foram encontrados dentro da área florestal, o HATF disse em uma carta enviada ao diretor do Projeto Elefantes, do Ministério do Meio-Ambiente e Florestal.

O grupo baseado em Thrissur também enviou a foto de uma dessas carcaças feridas junto com a carta, que foi divulgada para a mídia. O secretário do HATF, V K Venkitachalam, disse que, em todos os cinco casos, agentes florestais de níveis inferiores, que vão desde Oficial de Campo até Guarda Florestal, supervisionaram a autópsia de tais carcaças.

“É uma violação de uma ordem do governo estadual de 10 de setembro de 2015, que especificamente dita que a realização de uma autópsia de qualquer carcaça de espécies selvagens protegidas que surgirem dentro da uma área florestal deve ser feita somente na presença do Chefe Conservador daquele território”, ele disse em na carta.

Tal ordem foi feita pelo governo após a revelação de um caçador do qual sua gangue tinha matado 21 elefantes em áreas florestais de Athirappilly, Vazhachal, Edamalayar, Pooyamkutty e Mathikettan no estado durante o período de 2011 a 2013.

O então ministro florestal do estado, Thiruvanchur Radhakrishnan, direcionou o assunto para o secretário florestal. “Mas nos últimos 17 dias, todas as carcaças de cinco elefantes foram submetidas à autópsia sem a presença física do conservador central de Thrissur, que possui um escritório em Paravattany que é somente 40 km de distância da área de Athirappilly-Vazhachal”, ele alegou na carta.

O ativista também alegou que as amostras das vísceras dos animais mortos não foram enviadas ao Centro de Biologia Celular e Molecular em Hyderabad, para verificar a causa real da morte. O departamento florestal ainda iria realizar qualquer investigação formal sobre este tipo de morte em série de elefantes selvagens dentro de uma área florestal que foi desenvolvida usando milhões de dólares cedidos pela UNESCO, ele disse, acrescentando que uma investigação mais profunda deve ser conduzida sobre esses incidentes.

Tradução de Alice Wehrle Gomide

Fonte: The Indian Express

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.