Grupo de voluntários traz mais conforto e cuidado à égua ferida em Braço do Norte, SC

Grupo de voluntários traz mais conforto e cuidado à égua ferida em Braço do Norte, SC

Um égua que estava abandonada na rua, em Braço do Norte, em situação de maus-tratos e doente, está recebendo cuidados de um grupo de voluntários. Nessa equipe há também uma veterinária que monitora a situação do animal.

Um dos voluntários, Nazareno Schmoeller Souza está fazendo todo o possível para ajudar. “Levei um tatame ontem à noite para colocar a égua em cima. Além de algum conforto, evita que ela continue a se ferir no piso de cimento. Também coloquei o pasto da minha propriedade aqui na Montanha São Miguel de Gravatal à disposição para acolher ela após estar em condições de ser transportada. Tem um grupo de pessoas envolvido diretamente no atendimento ao animal. Pessoas que merecem os nossos aplausos”, declara Souza.

A eutanásia não está descartada. Isso porque ela está sofrendo muito e também com rompimento de tendões, o que causa fortes dores e impossibilidade de levantar-se.

Relembre o caso

Foi feito um chamado para a Polícia Militar devido a um incidente de crueldade contra animais, nessa segunda-feira (28). A denúncia relatava que uma égua estava deitado à beira da estrada, exibindo sinais de maus-tratos. A pessoa que reportou o incidente explicou que tinha visto a égua nessa condição anteriormente e, como não sabia quem era o dono, ligou para o número de emergência 190. Pouco depois, um menor de idade se aproximou e testemunhou que alguém havia intencionalmente abandonado a égua no local para deixá-lo morrer.

Uma funcionária da Funbama chegou logo após e comprometeu-se a tomar as medidas apropriadas em conjunto com o Ministério Público e a Polícia Civil. Um representante da Cidasc também esteve presente, mas informou que não havia chance de salvar o animal; apenas poderia ser elaborado um relatório sobre os maus-tratos sofridos.

Com essas informações, uma equipe da Polícia Militar, acompanhada pela funcionária da Funbama, dirigiu-se à residência da pessoa responsável por deixar a égua no local. O indivíduo negou ser o proprietário do animal. Após ouvir os relatos de todas as partes envolvidas e considerando a presença das entidades responsáveis, a Polícia Militar registrou o Boletim de Ocorrência (B.O.).

O fato gerou repercussão nas redes sociais. Uma das moradoras que passou pela localidade relatou: “Uma piedade. Não sabemos de quem é o dono, até colocamos no grupo do bairro. Triste de ver”, diz uma moradora de Braço do Norte.

Por Erick Borges

Fonte: SCT O Dia

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.