Grupos protestam em Belo Horizonte (MG) contra maus-tratos aos animais

Grupos protestam em Belo Horizonte (MG) contra maus-tratos aos animais
Faixa conta maus-tratos animais é estendida na alameda da Praça da Liberdade (Foto: Patrícia Dutra/Divulgação)

Entidades e grupos de proteção animal se manifestaram pacificamente na manhã deste domingo (27) na Praça da Liberdade, no bairro Funcionários, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte. Os grupos se reuniram contra deputados federais e senadores na terceira manifestação nacional do ato “Crueldade nunca mais”. A Polícia Militar (PM) informou que havia 250 manifestantes. A organização disse que eram 500.

A pauta deste domingo foi “Os animais não existem para nos divertir!”, uma reafirmação das conquistas dos direitos dos animais. A confusão com os políticos começou quando o legislativo federal propôs leis ordinárias e emendas constitucionais para transformar em patrimônio cultural ou esportivo o uso de animais em competições, como rodeios, por exemplo.

Manifestantes seguram cartazes repudiando animais em circos (Foto: Patrícia Dutra/Divulgação)
Manifestantes seguram cartazes repudiando animais em circos (Foto: Patrícia Dutra/Divulgação)

A atitude foi vista como retaliação da bancada ruralista por conta da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que considerou ilegal a vaquejada.

Contudo, posteriormente, deputados federais e senadores criaram projetos de leis federais que visam regulamentar a exploração e o sofrimento animal para a diversão humana – 50 modalidades de uso animal para competição passariam a ser consideradas cultura, expressão artística e esporte) – medida que os manifestantes consideram uma afronta ao Poder Judiciário e à Constituição Federal Brasileira.

Enquanto a Proposta de Emenda Constitucional 50 (PEC 50) tramita, os cidadãos podem votar pelo site do Senado.

Grupo protesta contra a venda de animais vivos no Mercado Central (Foto: Patrícia Dutra/Divulgação)
Grupo protesta contra a venda de animais vivos no Mercado Central (Foto: Patrícia Dutra/Divulgação)

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.