Ao todo, foram localizadas 34 aves silvestre.

Guarda Ambiental de São Bernardo (SP) acaba com rinha de aves silvestres

Alinhado a um planejamento de ação ostensiva voltada à preservação do meio ambiente e proteção animal, a Guarda Ambiental de São Bernardo do Campo flagrou um esquema de rinha de aves silvestres (canário-da-terra), neste domingo (02/09), no Jardim Detroit, efetuando a prisão de sete pessoas e aplicando multa, no valor de R$ 374 mil.

Os guardas registraram a ocorrência (nº 900121/2018) no 3º Distrito Policial da cidade – situado na Vila Marchi – detalhando que o êxito da ação partiu de uma denúncia anônima. O esquema era operado dentro de uma residência. Ao todo, foram localizadas 34 aves silvestres, todas em gaiolas. Os infratores também foram enquadrados por maus tratos. Por cada ave encontrada foram aplicadas multas, no valor de R$ 11 mil – sendo R$ 9.000 por maus tratos e R$ 2.000 por criação sem licença ambiental.

A ocorrência foi liderada pela supervisora Fernanda Portela e os guardas de 3ª classe João Ramos Ferreira e Michele Marion Everaldo e o de 2ª classe Carlos Evandro Pavanelli “A preservação ambiental é algo que colocamos como prioridade. Muito se deixou de fazer no passado. Aos poucos, vamos melhorando a nossa cidade no que ela tem de melhor”, destacou o prefeito Orlando Morando.

De acordo com a supervisora, Fernanda Portela, a ocorrência foi acompanhada de uma veterinária, que garantiu a soltura das aves, por se tratar de uma espécie incompatível com cativeiro. “Foram atestados laudos de maus tratos. Os infratores vão responder pelo crime ambiental. As gaiolas estavam armadas para a rinha, além de muitas caixas para transportes das aves”, detalhou.

POLÍTICA AMBIENTAL – Desde o ano passado, São Bernardo vem trabalhando de forma diferenciada pelo controle ambiental, com atividades de austeridade no controle e preservação. Há exato um ano, a Prefeitura de São Bernardo e o Ministério Público (MP) alinharam esforços para impedir a construção de novas moradias irregulares na região do Pós-balsa (Tatetos, Capivari, Santa Cruz, Taquacetuba e Curucutu), área de proteção ambiental, às margens da Represa Billings, e que tem sido alvo de inúmeras ocupações clandestinas nos últimos anos.

Por meio da Promotoria Pública do Meio Ambiente, o MP enviou ofício à Prefeitura determinando rigor na fiscalização dos depósitos de construções de toda a região, determinando que, se após o prazo legal, não fossem apresentados os documentos primordiais (alvará e licenças, por exemplo), a ação de fechamento deveria ser efetivada.

Neste período, contabilizou outras ocorrências relevantes, como o fim de um esquema no pós-Balsa, em que um homem utiliza armadilhas para a captura de animais silvestres, bem como escondia em uma área diversas toras de árvores, que, aparentemente, seriam utilizados para o comércio irregular de madeiras.

Em abril, 40 aves silvestres foram apreendidas, durante patrulhamento preventivo da Guarda Ambiental de São Bernardo, na Rua Ademir de Menezes, no Jardim Calux. Entre os animais confiscados estão dois papagaios, além de canários da terra, trinca-ferros, tizius, tico-ticos e coleirinhas, cujas posses devem ser autorizadas pelo Instituto Brasileiros de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Créditos: Divulgação/PMSBC

Por Leandro Baldini

Fonte: Secom / PMSBC via ABC do ABC

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.