Guarda Civil espanhola flagra briga de galo clandestina em Adra durante estado de quarentena

Guarda Civil espanhola flagra briga de galo clandestina em Adra durante estado de quarentena
Foto: Guardia Civil

Dezesseis pessoas assistiam à briga de galo durante o estado de quarentena. Quatro pessoas são investigadas pelo delito de tentativa de maus-tratos a animal. Os agentes localizaram 7 galos de briga, 27 vasos de maconha, utensílios e material de tratamento de uso veterinário, assim como medicamentos sem prescrição.

Agentes da Guarda Civil de Almería, Espanha, impediram a realização de uma briga de galos clandestina à qual 16 pessoas assistiam durante o estado de quarentena pelo COVID 19. Devido a isso, quatro pessoas estão sob investigação por delito de tentativa de maus-tratos a animal.

O fato ocorreu no município de Adra, que diante do alerta de uma aglomeração de veículos e pessoas na comunidade de Puente del Río, as patrulhas que estavam em serviço naquela área se dirigiram a um galpão em Adra. Com a chegada dos agentes, alguns dos participantes tentaram abandonar o lugar através do campo, mas não conseguiram. 

Ao final, os agentes identificaram 16 pessoas, procedentes das províncias de Almería e Granada, que pretendiam realizar uma briga de galos em um galpão construído com uma piscina portátil de grandes dimensões que tinha o fundo recoberto com grama artificial. 

Também foram localizados sete galos de briga, assim como material e remédios de uso veterinário sem prescrição cuja administração e uso é de exclusivo de profissional veterinário formado. Os agentes encontraram injeções, analgésicos e revigorantes de uso humano e veterinário, assim como esporões artificiais cuja finalidade é provocar maiores lesões nos animais.

Em uma inspeção mais aprofundada no galpão, os agentes da Guarda Civil também encontraram 27 vasos de maconha, identificados como pertencentes a uma das pessoas presentes, a ser investigada pelo delito de cultivo de maconha.

O proprietário dos utensílios e medicamentos veterinários é investigado pelo crime de exercício profissional pela propriedade e uso de medicamentos veterinários cuja prescrição, administração e uso são exclusivos de profissional veterinário formado, sendo que o investigado não possui de receita nem titulação para isso. 

As 16 pessoas que participavam foram denunciadas também por romper com o confinamento decretado durante o estado de quarentena. Os animais, medicamentos encontrados e os vasos de maconha ficaram à disposição da justiça.

Tradução de Katia Buffolo

Fonte: Almería Periodico Digital 360 Actualidad

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.