Guarda Civil espanhola resgata 'in extremis' um cão em estado de abandono de uma casa de Santomera

Guarda Civil espanhola resgata ‘in extremis’ um cão em estado de abandono de uma casa de Santomera

O animal estava no quintal da casa, sem água nem alimento, com numerosas feridas e inconsciente devido a uma forte onda de calor.

A rápida atuação da Benemérita, em colaboração com uma associação de animais, localizada no distrito de El Raal, conseguiu salvar sua vida.

Sua proprietária foi investigada como suposta autora de delito de maus-tratos contra animal doméstico.

A Guarda Civil da Região de Murcia, na Espanha, conhecida também como Benemérita, graças à colaboração cidadã, desenvolveu uma investigação dirigida à localização de um cão que se encontrava em estado de abandono em uma residência de Santomera, o que culminou com seu resgate “in extremis”, desidratado, com numerosas feridas e em estado de inconsciência devido a uma forte onda de calor.

Sua proprietária foi investigada como suposta autoria de delito de maus-tratos a animal doméstico.

A investigação se iniciou graças à colaboração cidadã, quando a Guarda Civil teve conhecimento da situação de um cão, da raça Rottweiler, em uma casa de Santomera.

Os agentes verificaram, através de várias fotografias recentes do animal, as condições lamentáveis de insalubridade, assim como as múltiplas feridas apresentadas em seu corpo.

De imediato, a Benemérita, em colaboração com uma associação de animais, enviou um veículo para a localização da residência.

Quando os agentes o encontraram, o animal sofreu um desmaio e foi levado para receber atenção veterinária urgente. O diagnóstico confirmou que ele também padecia de uma doença infecciosa da qual não estava sendo tratado.

Aparentemente, devido às altas temperaturas e à escassez de água, o cão sofreu com uma forte onda de calor e, se não tivesse sido localizado e atendido de imediato, poderia ter havido consequências fatais.

Conforme mostra a investigação, o animal se encontrava no quintal da casa, em estado de abandono, sem comida nem água, e apresentava um estado de saúde deplorável.

A investigação culminou com a identificação da proprietária, e recebeu diligências como suposta autora de delito de maus-tratos a animal.

Além disso, não ela tinha licença para a posse de animais de raça potencialmente perigosa, o que foi informado para as autoridades competentes.

Os autores deste tipo de caso podem incorrer na autoria de delito relativo à proteção da flora, fauna e animais domésticos, por maus-tratos ou abandono animal, tipificado no Código Penal vigente e com penas de três meses e de um dia a um ano de prisão, e proibição especial de um ano e de um dia a três anos para o exercício da profissão, ofício ou comércio que tenha relação com animais, assim como para sua posse.

Campanha contra maus-tratos e abandono de animais domésticos #YoSiPuedoContarlo 

Com o objetivo principal de conscientizar os cidadãos para que promovam as medidas necessárias na proteção, cuidados e bem-estar dos animais domésticos, assim como para que denunciem aquelas condutas contrárias ao bem-estar animal de que tenham conhecimento, a Guarda Civil iniciou a campanha #YoSiPuedoContarlo (Eu Posso Sim Contar).

Se você quiser fazer parte dessa campanha, grave um vídeo com o slogan “yo sí puedo contarlo” ou uma foto com a hashtag #YoSiPuedoContarlo e publique em teu perfil das redes sociais.

E se você conhece algum caso de maus-tratos ou abandono de animal, denuncie por telefone, por e-mail às autoridades responsáveis de sua cidade ou nos perfis nas redes sociais.

Fotos: Guarda Civil, Ministério do Interior

Tradução de Alice Wehrle Gomide

Fonte: Murcia

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.