Há algo que você precisa saber a respeito do vídeo viral de uma baleia beluga brincando de pegar objetos

Há algo que você precisa saber a respeito do vídeo viral de uma baleia beluga brincando de pegar objetos

Olá pessoal, aqui é o IFLScience com seu lembrete de sempre de que tudo está terrível.

Você já deve conhecer a fórmula: ao ver um vídeo on-line fofo que envolve um animal e se torna viral, assista com cautela. É provável que, na realidade, esteja acontecendo algo horrível que ainda não foi revelado. Veja o rato no banhoursinho que escala uma montanha, o chimpanzé que usa um Phonegorila-corvo, e praticamente todos os vídeos de lóris lentos.

Cada um, à sua maneira única, acabou sendo uma história mais sombria do que se pensava inicialmente, e a baleia beluga jogadora de rúgbi provavelmente não é exceção. Se você perdeu essa, na semana passada um vídeo de alguns “fãs sul-africanos de rúgbi” jogando bola com uma baleia beluga incomumente amigável viralizou.

Até aí, que fofo. Rápido, aproveite mais algumas vezes antes de estragarmos tudo para sempre.

OK, tirou isso do seu sistema? Agora prepare-se, porque isso é bizarro: a baleia beluga pode, de fato, ser uma ex-espiã russa fugitiva, que agora vaga pelos mares, se recuperando de desnutrição e desesperadamente necessitada após ter sido deixada pelos humanos para se virar sozinha.

O escritor científico Ferris Jabr e vários outros pesquisadores apontaram que a baleia, que parece ter sido filmada nas águas da Noruega, poderia ser uma beluga conhecida que foi vista várias vezes antes das interações incomuns com seres humanos que se tornaram virais.

Várias pessoas apontam que a baleia é Hvaldimir, que apareceu pela primeira vez no início deste ano na costa leste da Noruega. A beluga, que claramente foi treinada por humanos, aproximou-se de um barco de pesca em abril usando um cinto identificado como “Equipamento de São Petersburgo“, o que provocou especulações de que poderia ser uma baleia espiã russa, com o cinto usado para apoiar uma câmera ou até uma arma. Segundo o site The Guardian, a Rússia tem treinado belugas para proteger bases navais ou até matar invasores que entram em suas águas.

“Sabemos que na Rússia havia baleias domésticas em cativeiro e que aparentemente algumas delas foram libertadas. Então elas costumam procurar barcos”, disse à NRK o professor Audun Rikardsen, da Universidade Ártica da Noruega.

“Se esta baleia vem da Rússia, e temos grandes motivos para acreditar que sim, então não foram cientistas russos, e sim a marinha que fez isso”, acrescentou Martin Biuw, do Institute for Marine Research.

Desde a aparição de Hvaldimir, biólogos marinhos monitoram seu peso enquanto ela tenta sobreviver longe dos cuidados humanos e do cativeiro. No começo, o animal não estava se saindo bem.

“Receio que Hvaldimir coma apenas ocasionalmente e que não consiga obter comida suficiente”, disse a bióloga marinha Eve Jourdain à NRK. “Isso provavelmente poderia explicar a perda de peso e a má forma”.

A baleia, agora sob os cuidados da Diretoria de Pesca, tem desde então tido melhorias significativas em sua condição física.

No entanto, a baleia precisa ser deixada sozinha pelos humanos, para que tenha a melhor chance de sobrevivência. Sua tendência em procurar barcos, por exemplo, já a fez ter vários ferimentos de hélices.

“Essas ações perpetuam a habituação da baleia, reduzem suas chances de se alimentar e são contrárias aos esforços noruegueses para reabilitá-la”, a bióloga de baleias Jackie Hildering escreveu em seu website a respeito das pessoas brincarem com Hvaldimir. Algumas contas sugeriram que a tripulação do barco seja do navio de pesquisa Danah Divers, de propriedade do fundador da organização Save Our Seas, com sede na África do Sul, e que deveria ter se informado melhor.

Outros apontaram o exemplo de Luna, a baleia orca, que morreu após ser atingida por uma hélice de barco enquanto tentava brincar com a tripulação com quem já havia interagido em ocasiões anteriores.

Atualmente, existem avisos para impedir que as pessoas interajam com Hvaldimir, tanto para seu próprio bem quanto para o dos outros.

 

Em resumo, se for para evitar que a beluga tenha o mesmo destino de Luna ou algo semelhante, as filmagens e o compartilhamento de vídeos virais e brincadeiras divertidas precisam parar.

Por James Felton / Tradução de Alda Lima

Fonte: IFLSCIENCE

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.